Linhagem BA.5 da Omicron responsável por 97% das infeções

Linhagem BA.5 da variante Ómicron já é dominante em Portugal

BA.5 é dominante em Portugal desde a semana de 9 a 15 de maio.

A linhagem BA.5 da variante Omicron é responsável por 97% das infeções registadas em Portugal, segundo o mais recente relatório do Instituto Ricardo Jorge sobre a diversidade genética do vírus SARS-CoV-2.

Detetada pela primeira vez entre o final de março e o início de abril, a BA.5 é dominante em Portugal desde a semana de 09 a 15 de maio, segundo o Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA), que adianta igualmente que a linhagem BA.4 da variante Omicron “tem registado uma frequência relativa estável nas últimas amostragens semanais, representando 1,6% das sequências analisadas” nas duas últimas semanas de julho.

A variante Omicron do coronavírus que causa a covid-19, classificada como de preocupação pela Organização Mundial da Saúde, engloba várias linhagens identificadas com o prefixo “BA”.

Entre essas várias linhagens consta a BA.5, que tem revelado uma maior capacidade de transmissão por apresentar mutações com impacto na entrada do vírus nas células e ou na sua capacidade de escapar à resposta imunitária.

Um estudo da Direção-Geral da Saúde (DGS) e do INSA divulgado esta semana revelou que o reforço da vacinação contra a covid-19 (provocada pelo SARS-CoV-2) previne substancialmente o risco de hospitalização e morte na consequência de infeções pelas linhagens BA.2 e BA.5 da variante Omicron.

Este trabalho concluiu ainda que o risco de infeção é semelhante entre as duas linhagens, tanto em pessoas com o esquema vacinal completo, como em pessoas com a dose de reforço, mas em casos de doença mais grave a eficácia do reforço vacinal revelou-se ligeiramente diferente.

Relativamente à linhagem BA.2, que foi dominante em Portugal entre o final de fevereiro e meados de maio, o INSA diz que tem tido uma frequência relativa continuamente decrescente, registando 0,8% nas duas últimas semanas do mês de julho.

O relatório refere ainda que têm vindo a ser monitorizadas sublinhagens de BA.2 com uma mutação adicional na posição L452 da proteína Spike (associadas à resistência a anticorpos neutralizantes), sendo que, entre estas, se destaca a circulação em Portugal da linhagem BA.2.12.1, “embora a sua frequência relativa não tenha ultrapassado, até à data, os 2%”.

“É de notar que ainda não foi detetada qualquer sequência da sublinhagem de interesse BA.2.75 em Portugal”, acrescenta.

O INSA estima ainda que a circulação da linhagem BA.1 da variante Omicron seja atualmente residual.

O relatório refere igualmente que, até à data, foram analisadas 40.155 sequências do genoma do novo coronavírus, obtidas de amostras colhidas em mais de 100 laboratórios, hospitais e instituições, representando 304 concelhos de Portugal.

No final de junho, Portugal ultrapassou os cinco milhões de casos de infeção pelo coronavírus SARS-CoV-2 desde o início da pandemia.