fbpx
Select Page
PUB

Coronavírus

Madeira e Açores só administram vacina da AstraZeneca a maiores de 60 anos

Arquipélagos vão cumprir as orientações da Direção-Geral de Saúde (DGS).

9 Abril, 2021 - 11:12

Record TV com Lusa

A autoridade de saúde da Madeira vai seguir as recomendações da Direção-Geral da Saúde e a vacina da AstraZeneca contra a covid-19 só será administrada na região “a pessoas com mais de 60 anos”.

“A Direção Regional de Saúde informa que a vacinação contra a covid-19 na Região Autónoma da Madeira irá implementar as recomendações emanadas, no dia de hoje, pela Direção-Geral de Saúde, ‘task-force’ da vacinação contra a covid-19 e Autoridade Nacional do Medicamento [INFARMED]”, lê-se numa nota da Direção Regional de Saúde (DRS).

Assim, é referido, a vacina da AstraZeneca contra a covid-19 “só será administrada na Madeira a pessoas com mais de 60 anos”.

Ainda segundo a DRS, “quem estiver abaixo desta faixa etária será inoculado com fármaco de outro fabricante”.

Na nota, a autoridade de saúde da Madeira refere ainda que a alteração agora introduzida “não terá impacto no programa de vacinação contra a covid-19 agendado para os próximos dias”.

Desta forma, é acrescentado, hoje prossegue a “campanha de vacinação nos centros concelhios de Câmara de Lobos, Ponta do Sol e Funchal, tal como programado”.

“A vacina AstraZeneca é segura e eficaz”, indica a DRS, salientando que “a vacinação é a arma mais importante para a proteção contra a covid-19”.

Também o diretor regional da Saúde disse que os Açores vão cumprir as orientações da DGS e a vacina da AstraZeneca contra a covid-19 só será administrada no arquipélago em pessoas acima dos 60 anos.

“Da mesma forma que no outro momento de suspensão da vacina a Região Autónoma dos Açores seguiu as orientações da DGS e do Infarmed, aquilo que tecnicamente forem as orientações da DGS e do Infarmed relativamente a grupos etários e à administração da vacina da AstraZeneca, a região naturalmente irá seguir essas mesmas orientações”, afirmou Berto Cabral.

Em conferência de imprensa, em Angra do Heroísmo, Berto Cabral admitiu que as notícias sobre esta vacina têm provocado um “aumento de recusas”, mas salientou que é “muito comum haver alterações de indicações” em medicamentos.

“O que é efetivamente importante é que esta avaliação esteja a ser feita e que as orientações que irão sair tenham em conta a segurança e os grupos etários que terão um menor risco com a toma desta vacina. O benefício continua a ser claramente superior ao risco. A taxa dos efeitos secundários graves de qualquer uma das vacinas que estão a ser administradas é muito mais baixa do que a taxa de mortalidade daqueles que são infetados por este vírus”, acrescentou.

Na conferência de imprensa, o diretor regional de saúde revelou ainda que os Açores estimam receber nos meses de maio e junho 99.250 doses de vacinas contra a covid-19, acrescentando que será possível concluir antes disso a primeira fase da vacinação.

“Durante o mês de maio chegarão mais 46.800 doses da Pfizer e durante o mês de junho estão previstas 52.650 doses também da Pfizer”, adiantou Berto Cabral.

Os Açores receberam hoje 8.500 doses de vacinas da AstraZeneca, depois de na segunda-feira terem recebido 23.400 doses da Pfizer.

Ainda durante o mês de abril, está prevista a chegada de 17.550 doses da Pfizer e 10.000 doses da AstraZeneca.

De acordo com o portal de vacinação contra a covid-19 dos Açores, já foram administradas 56.725 doses na região a 39.003 pessoas, das quais 17.722 com duas doses.

PUB

Últimas

PUB

Slide

SHARE RECORD TV MAGAZINE

Record TV Europa