fbpx
Select Page
Coronavírus

Vitorino Silva defende confinamento apenas depois das presidenciais

Dirigente do RIR continua a requerer o adiamento das eleições marcadas para 24 de janeiro.

12 Janeiro, 2021 - 18:51

Record TV com Lusa

O candidato presidencial Vitorino Silva defendeu hoje que o confinamento da população apenas deveria ser decretado “depois de contar os votos” das eleições, agendadas para 24 de janeiro, após ouvir os especialistas sobre a situação epidemiológica do país.

“Sou a favor de [o confinamento] ser [decretado] quinta-feira se não houver eleições dia 24. Sou a favor já (…). Se fecharem [o país] na quinta-feira e se não houver eleições, eu concordo. Agora, se houver eleições dia 24, não concordo que fechem as pessoas nestes dez dias e as soltem depois. É a opinião que tenho ouvido na rua e o povo é sábio”, disse Vitorino Silva aos jornalistas à margem de uma ação de campanha no concelho da Amadora, distrito de Lisboa.

Por isso, o também dirigente do RIR (Reagir, Incluir e Reciclar) propõe “que façam o confinamento depois de contar os votos”.

Questionado sobre a impossibilidade de se fazer uma revisão constitucional durante a vigência do estado de emergência que permitisse o adiamento das eleições, o candidato reiterou que já tinha avisado o Presidente da República no ano passado para esta necessidade e que Marcelo Rebelo de Sousa, o Governo e os partidos com representação parlamentar tiveram tempo para rever a Constituição.

“Se [o país] fechar na quinta-feira o povo vai para casa e depois abrem as portas outra vez para o povo ir votar, em que dez milhões de portugueses se vão juntar. Os políticos têm de ser responsáveis. Não estou a dizer que isto está bem, mas também esperem um bocadinho, aguentem um bocadinho os cavalos. Acho que era justo, pelo menos até às eleições, isto estar tudo aberto para que possa haver campanha”, sustentou, acrescentando que “vai ser pior a emenda do que o soneto”.

Interpelado três vezes pelos jornalistas sobre que soluções apresenta no imediato para o número cada vez maior de contágios pelo SARS-CoV-2 e de óbitos que Portugal está a contabilizar, o candidato limitou-se a responder que tem de haver “equilíbrio” entre as medidas decretadas para conter a covid-19 e a manutenção da atividade económica.

Vitorino Silva continua a requerer o adiamento das presidenciais, mas garantiu que também vai entrar em confinamento se assim for decretado, porque “os políticos não podem estar acima de tudo”.

As eleições presidenciais, que se realizam em plena epidemia de covid-19 em Portugal, estão marcadas para 24 de janeiro e esta é a 10.ª vez que os portugueses são chamados a escolher o Presidente da República em democracia, desde 1976.

A campanha eleitoral começou no dia 10 e termina em 22 de janeiro. Concorrem às eleições sete candidatos, Marisa Matias (apoiada pelo Bloco de Esquerda), Marcelo Rebelo de Sousa (PSD e CDS/PP) Tiago Mayan Gonçalves (Iniciativa Liberal), André Ventura (Chega), Vitorino Silva, mais conhecido por Tino de Rans, João Ferreira (PCP e PEV) e a militante do PS Ana Gomes (PAN e Livre).

Últimas

SHARE RECORD TV MAGAZINE

Record TV Europa