Jogadoras espanholas renunciam à Seleção

Antevisão da 11.ª jornada do campeonato
Envato

Em causa está a continuidade de Jorge Vilda no cargo de selecionador.

A polémica estalou no final de agosto quando um grupo de jogadoras terá forçado um braço de ferro com o selecionador. As atletas alegavam que o técnico não estava a conseguir rentabilizar em campo o talento que tinha à disposição.

Alguns elementos da seleção entendem que o tratamento dado às jogadoras titulares e suplentes não é o mesmo e que existe uma má gestão da equipa, situação que se refletia em alguns casos de lesões mais ou menos graves. Além disso, o técnico foi ainda acusado de dar treinos de pouco nível e de usar métodos desatualizados.

Agora, a novela atingiu contornos mais pesados, com 15 jogadores a comunicarem por email a indisponibilidade de representarem Espanha enquanto Jorge Vilda estiver ao comando.

A Real Federação Espanhola de Futebol confirmou ter recebido 15 emails de 15 jogadoras da seleção, todos iguais e nos quais é dito que a situação atual está a ter consequências a nível emocional e de saúde e que se a mesma não for revertida renunciam à seleção.

No entanto, o organismo diz que não vai permitir que as jogadoras questionem a continuidade do selecionador nacional e do corpo técnico e que não permite que nenhum tipo de pressão por parte de nenhuma jogadora.

A federação espanhola relembra ainda que uma renúncia à seleção após uma convocatória, à luz da lei espanhola, é uma infração muito grave e que pode levar a sanções entre dois a cinco anos.

Resta esperar pelos próximos episódios e perceber se o selecionador continua ou se Espanha perde 15 jogadoras. Jorge Vilda tem contrato até 2024.