Carlo Porto e Miguel Coelho falam sobre mortes de Saul e Jônatas

Carlo Porto e Miguel Coelho falam sobre mortes de Saul e Jônatas
Record TV
PUB

Atores revelaram bastidores das gravações de ‘Reis’ e destacaram parceria entre eles.

A reta final da quinta temporada de ‘Reis’ foi marcada por grandes acontecimentos, entre eles, a batalha contra a Filístia, que resultou nas mortes de Saul (Carlo Porto) e dos seus filhos Jônatas (Miguel Coelho), Abi (Ronny Kriwat) e Malquisua (Enzo Ciolini). Na hora do confronto, o rei foi tomado pelo medo ao deparar-se com a quantidade de soldados filisteus.

Em entrevista ao portal R7, Carlo Porto e Miguel Coelho comentaram as últimas cenas das personagens na trama. Porto analisou a decisão do rei de Israel colocar um ponto final na sua própria vida.

“Saul estava a fugir dos filisteus, que o encurralam e mataram os seus filhos. Ele deparou-se com os corpos dos meninos mortos e, num ato de desespero, lançou-se em cima de uma espada. Tentámos reproduzir com muita fidelidade o que está escrito [na bíblia] e o nosso texto ajudou-nos nessa tarefa”, contou.

De acordo com o ator, não existia diferença entre os filhos para o rei, mas o relacionamento da personagem com o primogénito foi marcante. “Eles tiveram uma relação especial, e Jônatas era um parceiro de Saul até um determinado momento. É o filho mais velho, que compreende mais as coisas. Então, acho que Jônatas era o rapaz que conseguia olhar para o pai de uma forma um pouco mais distanciada – e, às vezes, puxava o Saul para o chão”, disse.

Nos bastidores, após gravar as últimas cenas, Miguel Coelho revelou ter tido uma experiência nova como ator.

“Foi a primeira vez que morri em cena. Então, foi diferente para mim. Até porque, nessas cenas de luta, normalmente os israelitas venciam e, desta vez, não. Toda a equipa fez silêncio e percebeu o tamanho da cena. Foi bonito, e todos acharam que conseguimos alcançar um resultado interessante. Foram dois ou três dias para fazer toda essa sequência emocionante”, contou.

Nas redes sociais, Coelho compartilhou diversos registos feitos por trás das câmaras com o pai da ficção ao longo da trama. Sem poupar elogios ao colega de cena, ele aproveitou para agradecer por ter encontrado o intérprete de Saul no projeto.

“Carlo tornou-se um irmão para mim. Morávamos praticamente no mesmo lugar, e acho que foi a pessoa com quem mais gravei este ano. [Ele estava] Sempre a discutir comigo [risos], não só na ficção, como na vida real. É um grande amigo, e conversávamos a toda a hora. Ao mesmo tempo que ficamos felizes com a chegada das férias, estamos tristes por saber que esses reencontros dificilmente vão acontecer com a mesma frequência. Foi incrível ter passado este tempo com ele”, comentou.