“’Power Couple’ é uma paixão, um reality completamente diferente”

“’Power Couple’ é uma paixão, um reality completamente diferente”
© Record TV

Adriane Galisteu foi a convidada de honra do primeiro episódio do podcast ‘Power Couple Brasil 6’.

A apresentadora marca a estreia do podcast e fala sobre os preparativos para a nova temporada do reality de casais. Adriane revela todas as novidades desta nova temporada que promete muita emoção. Não perca!

Há um ano estávamos a fazer também um podcast. Tinhas regressado e o ‘Power Couple’ ia iniciar. Passado tanto tempo, que novidades tens para contar?
Tenho de contar que me diverti bastante nas minhas férias. [risos] No entanto, agora estou ‘enfiada’ numa casa e até já me despedi da minha família – disse-lhes que a partir do momento em que o programa estrei, eles não podiam contar mais comigo. [risos] Eu fico 100% focada no meu trabalho sempre. Já gosto de realities, mas começo a vivê-los intensamente. É um programa diário, em direto, por isso é intenso. É um show repleto de provas completamente diferentes das de ‘A Fazenda – Tudo a Ver’. Estou pronta para me entregar a 100% mais uma vez! As pessoas nem imaginam… elas assistem ao ‘Power Couple’, mas não imaginam como é estar nos bastidores de um programa como este. Chego sempre ao trabalho antes e saio depois. Sou muito viciada e fico muitas vezes desesperada – se os concorrentes dormem tarde eu durmo tarde! [risos] Mas já estou mais do que preparada e superansiosa para começar. ‘Power Couple’ é uma paixão para mim, é um reality completamente diferente dos outros pelo simples facto de ser um programa de confinamento de casais. Quem tem experiência em relacionamentos sabe o que eu estou a falar. Já não é fácil nos relacionarmos com alguém, quando estamos fechados dentro de uma mansão com mais casais é ainda mais complicado. Há discussão entre um casal, entre vários casais… existem sempre muitos conflitos.

Tenho muito amor pela minha profissão

No ano passado, os teus figurinos não passaram despercebidos. As tuas roupas vão continuar a surpreender?
Posso dizer: aguardem-me! [risos] A diferença de um reality para outro é enorme, por isso o figurino também tem de contar uma história. O figurino também tem de ser power! É muito interessante num dia estar de sweat e noutro estar vestida com as marcas mais incríveis do planeta – de salto e com um cabelo completamente diferente. Podem esperar muitas mudanças, estamos de olho em todas as tendências. O ‘Power Couple’ vai trazer isso e muito mais. Num dia [nós mulheres] acordamos lindas e maravilhosas, noutro já não nos sentimos tão confiantes. Neste reality vale mostrar esse nosso lado da vida real. Há dias em que vou estar linda, outros em que vou estar ‘rock n’roll’. [risos] É claro que já andamos a pensar em muitos figurinos muito diferentes. O que quero é fazer com que as pessoas pensem: “Será que eu teria coragem para usar aquilo?” Esta é a pergunta que quero que as pessoas façam. Sempre gostei muito de usar coisas diferentes e de causar essa reação nas pessoas, mas o power ainda consegue elevar mais do que isso. Tem uma potência máxima! [risos]

A muito elogiada forma como lidas com o programa foi feita de forma intencional?
Por ser fã de realities, espero de todos os participantes um esforço ainda maior, não quero que eles vão apenas a pensar que é um parque de diversões. Ficar com aquela quantia absurda de dinheiro só depende deles. Eles podem ganhar mais de um milhão e meio de reais [perto de 200 mil de euros], mas para isso têm de estar com a ‘faca nos dentes’, com força e garra. Entrar num reality por entrar não faz o público vibrar, pelo contrário, os telespectadores até podem ficar com raiva. Claro que entendo que o início é sempre o início e que é quando estão mais divertidos e exaltados, mas sempre que puder meto-os na linha – no sentido de alertá-los que se eles não jogarem serão outros a ganhar. No último Power, com o casal Matheus e Mari, vimos que ela não era boa nas provas – e assim se vê que o Power não pede só habilidade. Não é preciso ser um ‘super-homem’ ou ‘super-mulher’ para participar. Quem ganha o ‘Power Couple’ são apenas os casais que realmente falam a mesma língua. Muitas vezes eles são muito diferentes, mas funcionam bem. Sou muito diferente do meu marido Alexandre e já estou com ele há 13 anos – é uma conquista! Para mim, o mais importante do ‘Power Couple’ é não ter medo de apostar nos parceiros.

Podes dizer qual foi o teu concorrente preferido de todos os programas?
A coisa mais difícil para mim a nível profissional é manter-me neutra, treino para não desenvolver afinidade pelos concorrentes, mas sim pelo programa. No entanto, posso dizer que, quando a Fernanda Medrado [ex-concorrente de ‘A Fazenda – Tudo a Ver’, em 2021] saiu do programa o meu ‘mundo caiu’ – foi chocante para todos. O ‘casal Fênix’ [Bruno Salomão e Deborah Albuquerque] também foi muito forte.

Tiveste alguma surpresa no ‘Power Couple’ do ano passado?
Sim, por exemplo o casal Mari Matarazzo e Matheus Yurley. Nunca pensei que poderiam ganhar. O casal tinha muito carisma e união, no entanto, temos de pensar que não se pode levar tão a sério o amor hoje em dia. Achava que outros casais poderiam ganhar o programa, como por exemplo o casal ‘Fênix’.

Se fosses concorrente com o teu marido até onde chegariam no programa?
Sou muito competitiva, quero muito fazer as coisas, mas iria chegar às provas e ia ser ‘desastrada’. Por outro lado, o Alexandre é muito cauteloso e calmo.

Que casal [do ‘Power Couple 5’] seria o vosso ‘aliado’?
Gostei de muita gente. Ia divertir-me muito com a Renata Dominguez. Ela parecia-me muito alegre. Também gostei muito do casal da Renata e do Leandro Gléria.