Acordo para exportação de cereais: “Um farol de alívio” diz Guterres

Acordo para exportação de cereais:
REUTERS/Umit Bektas

Ucrânia e Rússia chegaram a um acordo para a exportação de cereais através do Mar Negro. Documento foi hoje assinado pelos dois países.

Um momento histórico e, nas palavras de António Guterres: “Um farol de alívio para o mundo”.

O acordo para o desbloqueamento dos cereais ucranianos foi esta tarde assinado entre Rússia, Ucrânia, Nações Unidas e Turquia, o país mediador das negociações. 

“Hoje, há um farol no Mar Negro. Um farol de esperança, um farol de possibilidade. Um farol de alívio em um mundo que precisa mais do que nunca”, afirmou o Secretário-geral das Nações Unidas. 

Para António Guterres, que discursou há momentos na cerimónia, este é “um acordo para o mundo” que ajudará a aliviar a crise global de alimentos provocada pela guerra na Ucrânia.

“Promover o bem-estar da humanidade tem sido a força motriz dessas conversas. A questão não tem sido o que é bom para um lado ou para o outro. O foco tem sido no que é mais importante para as pessoas do nosso mundo. E que não haja dúvidas – este é um acordo para o mundo”, afirmou o Secretário-geral das Nações Unidas.

António Guterres realçou ainda o papel da Turquia, país mediador das negociações.

Também o presidente turco fez questão de lembrar o papel do país na resolução, pelo menos temporária, na crise alimentar provocada pela não exportação dos cereais ucranianos.

“Estamos orgulhosos de ser fundamentais em uma iniciativa que desempenhará um papel importante na solução da crise global de alimentos que está na agenda há muito tempo” afirmou Recep Tayyip Erdogan que foi ambicioso o suficiente para afirmar que o acordo estabelecido e assinado constitui um “passo para o caminho da paz”.

O acordo assinado esta tarde em Istambul permite a exportação de grãos ucranianos através do Mar Negro, após meses de negociações entre a Ucrânia e a Rússia, mediadas pela Turquia e a ONU. O documento visa retomar a exportação dos cereais atualmente bloqueados nos portos ucranianos devido ao conflito entre a Rússia e a Ucrânia.

Especialistas e líderes mundiais alertaram para os eventuais efeitos “catastróficos” de uma crise alimentar provocada pelo bloqueio dos cereais ucranianos.

Cerca de 20 milhões de toneladas de grãos estão retidas no país.