Amnistia Internacional diz que Rússia cometeu crimes de guerra

Amnistia Internacional diz que Rússia cometeu crimes de guerra
REUTERS/Ivan Alvarado

Organização diz que país utilizou bombas de fragmentação na cidade de Kharkiv. Este tipo de armas é proibido pelas convenções de guerra.

Um relatório da Amnistia Internacional revelou que a Rússia cometeu crimes de guerra utilizando um tipo de armamento proibido.

A organização garantiu que a Rússia utilizou bombas de fragmentação na cidade ucraniana de Kharkiv matando dessa forma centenas de civis. O relatório especifica como o país utilizou de forma repetida bombas de fragmentação bem como outras munições que se estilhaçam e até rockets que espalham minas mais pequenas.

O documento relata como os visados nestes ataques são civis que estavam em atividades normais, como fazer compras na fila para receber ajuda humanitária ou apenas a caminhar na rua.

“O constante uso de bombas de fragmentação é chocante e mais uma indicação do total desrespeito pelas vidas humanas” afirmou Donattela Rovera, conselheira sénior de Resposta a Crises da Amnistia Internacional.

“As forças russas são responsáveis ​​por horríveis ataques, devem ser responsabilizadas pelas suas ações e as vítimas e as suas famílias devem receber uma indemnização”, referiu.

As armas de fragmentação são consideradas proibidas pelas convenções de guerra assim como pelo Direito Internacional Humanitário, que segundo a Amnistia Internacional “proíbe os ataques indiscriminados e o uso de armas devastadoras. Os ataques que resultem em morte ou ferimentos a civis, ou danos a bens civis, constituem crimes de guerra”.