fbpx
Select Page
Mundo

“Cão” congelado há 18 mil anos intriga cientistas

Investigadores não conseguem decifrar se o animal é descendente de cão ou lobo.

28 Novembro, 2019 - 16:42

Patrícia de Freitas
Love Dalén

A descoberta deste mamífero foi feita na Sibéria. Na época em que morreu não deveria ter mais de dois meses de idade. Já lá vão mais de 18.000 anos e o corpo está incrivelmente bem preservado, com o pelo, dentes e nariz intactos.

O animal foi apelidado de Dogor, o que significa “amigo” na língua Yakut. Os especialistas não conseguem determinar de que espécie se trata através da sequência de ADN e, por isso, dizem que pode significar a evolução entre lobos e cães modernos.

À CNN, Dave Stanton, do Centro de Paleogenético sueco, explicou que já foram recolhidas muitas amostras de genes e que espera que, com mais pesquisa, se determine o histórico ancestral.

Os genes revelaram apenas que este “cão” é do sexo masculino.

Love Dalén, outro dos investigadores do Centro, acredita que este poderá ser o cão mais velho alguma vez encontrado.

Últimas

SHARE RECORD TV MAGAZINE

Record TV Europa