fbpx
Select Page
Mundo

Encontrada a maior concentração de lixo em águas profundas

Através de um robô, investigadores italianos detetaram vários objetos no fundo do Mar Mediterrâneo. O mais abundante é… plástico.

1 Junho, 2019 - 16:36

Record TV

Pneus, canos, tampas de sanita, móveis de cozinha, mesas, bonecos e até um carro inteiro. Estes são alguns dos materiais encontrados num verdadeiro “aterro subaquático” no Mar Mediterrâneo.

Um grupo de cientistas descobriu a maior concentração de lixo jamais registada em águas profundas, no fundo do Estreito de Messina, que separa a ilha de Sicília da região Calábria, em Itália, com recurso a um robô que alcançou os 500 metros de profundidade.

O estudo levado a cabo pela Scientific Reports e desenvolvida pelo Conselho Nacional de Pesquisa de Itália, em conjunto com a Universidade de Roma, alertou para a surpreendente concentração de resíduos no fundo do mar e para um tipo de contaminação pouco estudada.

“As águas costeiras e as praias dos países em desenvolvimento podem ter mais lixo do que o que foi encontrado, mas esses são ambientes mais acessíveis. Por outro lado, o nosso conhecimento sobre o lixo no fundo do mar é muito limitado devido às dificuldades técnicas em estudá-lo e ao custo das campanhas marítimas”, explicou Martina Pierdomenico, investigadora e co-autora do estudo, citada pelo El País.

“Como temos vindo a explorar novas áreas, este problema tem-se revelado muito maior do que pensávamos e agora pensa-se que os fundos subterrâneos podem abrigar a maior quantidade acumulada de lixo na Terra”, acrescentou a investigadora.

O POLLUX III foi o responsável por encontrar os objetos no fundo do mar. O robô cobriu cerca de 6,4 quilómetros de vale submarino numa profundidade entre 240 e 580 metros. O estudo revelou ainda que, quanto maior era a profundidade, maior era a quantidade de resíduos encontrados.

Sem surpresa, o resíduo mais abundante foi o plástico (70%), tendo sido encontrados sacos de plástico e embalagens. Além disso, seguiu-se materiais de construção, vestuário e metal.

O robô encontrou uma quantidade de lixo até 200 itens por cada 10 metros, “a quantidade mais elevada para águas profundas até ao momento”, explica o estudo.

Os cientistas vão tentar perceber quanto o impacto real deste aterro subaquático na vida dos animais selvagens, visto que estes são resíduos orgânicos persistentes e tóxicos para a fauna marinha.

 

Últimas

SHARE RECORD TV MAGAZINE

Record TV Europa