Libertada mulher que sofreu aborto espontâneo

Libertada mulher que sofreu aborto espontâneo
PUB

Sentenciada a 30 anos de prisão, foi libertada mais de dez anos depois.

Foi libertada uma mulher, condenada a 30 anos de prisão, por ter sofrido um aborto espontâneo, em El Salvador.

Elsy, de 38 anos, cumpriu 10 anos e meio da pena, tornando-se agora na quinta mulher condenada pelo mesmo motivo a ser libertada no país desde dezembro. 

Segundo o Grupo Cidadão para a Descriminalização do Aborto em El Salvador, Elsy sofreu “uma emergência médica” em junho de 2011, quando trabalhava como empregada doméstica.

Foi detida e acusada de homicídio, num processo com bastantes irregularidades e sem respeito pela presunção de inocência, denuncia o Grupo Cidadão para a Descriminalização do Aborto em El Salvador.

“Celebramos a libertação de Elsy depois de dez anos de prisão. A sua errada sentença de 30 anos por homicídio qualificado terminou”, afirmou a presidente do grupo, Morena Herrera. 

O aborto é ilegal e considerado homicídio qualificado em El Salvador. As penas podem chegar aos 50 anos de prisão.