fbpx
Select Page
Mundo

Metade das crianças refugiadas está fora da escola

Relatório das Nações Unidas revela que o número pode aumentar devido à pandemia de covid-19, que veio dificultar o regresso às aulas.

19 Setembro, 2020 - 09:22

Record TV com Lusa

No relatório intitulado “Juntos pela educação dos refugiados”, a Agência das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) revela que, “se a comunidade internacional não tomar medidas imediatas e ousadas para contrariar os efeitos catastróficos da covid-19 na educação dos refugiados”, estas comunidades mais vulneráveis ficarão ainda mais ameaçadas.

O documento foca-se na região africana do Sahel (Senegal, Gâmbia, Mali, Níger, Argélia, Burkina Faso, Mauritânia, Camarões, Nigéria, Chade, o Sudão, Sudão do Sul, Eritreia, Somália, Djibuti e a Etiópia), onde “a violência forçou o encerramento de mais de 2.500 escolas, o que afetou a educação de 350 mil estudantes.

Ressalvando que, embora todas as crianças em todos os países tenham sofrido o impacto da covid-19 na sua educação, o ACNUR concluiu que “as crianças refugiadas têm sido particularmente desfavorecidas”.

“Antes da pandemia, uma criança refugiada tinha o dobro da probabilidade de estar fora da escola do que uma criança não refugiada. Esta situação vai agravar-se, pois muitos podem não ter uma oportunidade de retomar os estudos devido ao encerramento de escolas, dificuldades em pagar propinas, uniformes ou livros, falta de acesso a tecnologias ou porque estão a ser obrigados a trabalhar para apoiar as suas famílias”, lê-se no documento.

Segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, Filippo Grandi, “metade das crianças refugiadas em todo o mundo já estava fora da escola”.

“Depois de tudo o que sofreram, não podemos roubar-lhes o seu futuro, negando-lhes hoje uma educação”, acrescentou, defendendo “formas inovadoras” de proteger os ganhos alcançados na educação dos refugiados ao longo dos últimos anos através de um maior apoio internacional.

Numa nota final do relatório, o embaixador da ACNUR para o Programa Escolas da Rede Instantânea e a Fundação Vodafone, Mohamed Salah, afirmou: “Assegurar uma educação de qualidade hoje significa menos pobreza e sofrimento amanhã”.

“A menos que todos desempenhem o seu papel, gerações de crianças – milhões delas em algumas das regiões mais pobres do mundo – enfrentarão um futuro sombrio. Mas se trabalharmos como uma equipa, como uma só, podemos dar-lhes a oportunidade de terem um futuro digno. Não vamos perder esta oportunidade”, apelou.

Os dados do relatório baseiam-se nos relatórios de doze países que em 2019 acolhiam mais de metade das crianças refugiadas do mundo.

Na escola primária estão matriculadas 77% das crianças refugiadas, uma percentagem que desce para 31% no ensino secundário e para 3% no ensino superior.

Estas estatísticas representam, no entanto, um progresso, uma vez que em 2019 as matrículas no ensino secundários aumentaram 2%.

Contudo, a pandemia de covid-19 ameaça agora destruir este e outros avanços cruciais.

Para as raparigas refugiadas, a ameaça é particularmente grave, uma vez que estas já têm menos acesso à educação do que os rapazes e têm metade da probabilidade de estarem matriculadas na escola quando atingirem o nível secundário.

Com base em dados da ACNUR, o Fundo Malala estimou que, em resultado da covid-19, metade das raparigas refugiadas na escola secundária não regressará quando as salas de aula reabrirem este mês.

Para países onde a matrícula bruta das raparigas refugiadas no ensino secundário já era inferior a 10%, todas estão em risco de desistir definitivamente, uma previsão arrepiante que teria um impacto para as gerações vindouras, advertem os autores do relatório.

“Estou especialmente preocupado com o impacto nas raparigas refugiadas. Não só a educação é um direito humano, mas também a proteção e os benefícios económicos para as raparigas refugiadas, as suas famílias, e as suas comunidades de educação são claros”, sublinhou Filippo Grandi.

E acrescentou: “A comunidade internacional não pode simplesmente falhar em proporcionar-lhes as oportunidades da educação”.

A adaptação às limitações impostas pela covid-19 tem sido especialmente dura para 85% dos refugiados do mundo que vivem em países em desenvolvimento ou menos desenvolvidos.

Telemóveis, tablets, computadores portáteis, conectividade, até mesmo aparelhos de rádio não estão muitas vezes disponíveis para as comunidades deslocadas.

O relatório mostra como as famílias, comunidades e governos estão a trabalhar para proporcionar educação às crianças refugiadas.

Mrec - Amor Sem Igual (Versão Quinta)

Últimas

SHARE RECORD TV MAGAZINE

Record TV Europa