Presidente do Sri Lanka abandona país após protestos

Presidente do Sri Lanka abandona país após protestos
REUTERS/Dinuka Liyanawatte

Esta quarta-feria o presidente do Sri Lanka, Gotabaya Rajapaksa, fugiu do país. O chefe de estado pode estar nas Maldivas.

Há vários meses que os protestos contra a crise política e económica do país se fazem sentir, mas foi na semana passada que atingiram o auge. Vários manifestantes invadiram os principais prédios do governo em Colombo, na capital de Sri Lanka, exigindo a renuncia do cargo político do chefe de estado e dos seus aliados políticos. 

A população culpa Rajapaksa pela corrupção, inflação e pela grave falta de combustível e medicamentos. As complicações económicas levaram a que o país fosse incapaz de assumir financeiramente as importações para os seus 22 milhões de habitantes, devido à falta de moeda estrangeira.

Sri Lanka
Manifestantes se reúnem do lado de fora do escritório do primeiro-ministro do Sri Lanka, Ranil Wickremesinghe, devido à crise econômica do país, em Colombo, Sri Lanka, 13 de julho de 2022. REUTERS/Adnan AbidiRanil 

Segundo o comunicado partilhado pela Reuters, o líder de 73 anos, a sua esposa e dois seguranças deixaram o país a bordo de um avião da Força aérea do Sri Lank. A razão pela fuga deve-se às acusações por má gestão económica do presidente. 

“De acordo com as disposições da Constituição e a pedido do governo, a Força Aérea do Sri Lanka forneceu um avião hoje cedo para levar o presidente, a sua mulher e dois oficiais de segurança às Maldivas”, pode ler-se no comunicado. 

Após boatos de que o Alto Comissário da Índia facilitou a saída do chefe de estado do país, os mesmo já se prenunciaram na rede social Twitter: “O Alto Comissariado nega categoricamente relatos infundados e especulativos da mídia de que a Índia facilitou a recente viagem de Gotabaya Rajapaksa para fora do Sri Lanka”.

 

Rajapaksa apresentou a promessa de renúncia ao cargo. Wickremesinghe também apresentou a possibilidade de deixar o seu cargo como primeiro-ministro. 

Segundo o comunicado da Força Aérea, uma fonte próxima do governo e de Rajapaksa alegam que o chefe de estado está em Male, capital das Maldivas.

Rajapaksa vai deixar o cargo de presidente hoje, através de um carta oficial, para abrir caminho para um governo de unidade. A carta de renúncia permite a execução de um plano de sucessão. O presidente interino vai comandar por até 30 dias antes do parlamento votar para eleger um novo líder.