Texas: atirador entrou escola através de porta que deveria estar trancada

Texas: atirador entrou escola através de porta que deveria estar trancada
REUTERS/Shannon Stapleton

Professora fechou a porta do estabelecimento escolar ao contrário das informações inicialmente dadas pela polícia.

As primeiras informações da polícia davam conta de que o suspeito entrou no estabelecimento escolar através de uma porta traseira que deveria estar fechada e trancada.

As culpas foram inicialmente atribuídas a uma professora que teria deixado a porta aberta, algo que foi entretanto desmentido.

A porta estaria aberta mas mal a funcionária percebeu que estava uma pessoa armada no campus escolar, correu para a fechar. Salvador Ramos conseguiu no entanto aceder ao interior da escola porque porta, que deveria trancar automaticamente, não trancou.

Os novos detalhes já foram confirmados pelas autoridades que continuam sob forte escrutínio devido à atuação no tiroteio.

Atuação da polícia criticada

Sabe-se que os primeiros agentes da polícia a chegarem ao local entraram na escola mais de uma hora antes de intercetarem e balearem mortalmente o atirador. Tempo esse que poderia ter sido precioso para ajudar as 21 vítimas mortais do ataque.

Pete Arredondo, o chefe de polícia do distrito escolar independente de Uvalde, terá dado a ordem para que 19 polícias esperassem do lado de fora da sala de aulas onde estava barricado Salvador Ramos, enquanto a escola era evacuada, assumindo o incidente como uma situação de reféns, na qual as crianças não estariam em perigo imediato.

Pete Arredondo ainda não comentou publicamente a resposta da polícia mas nem a polémica impediu que fosse empossado no conselho municipal da comunidade do Texas, cargo que ganhou a 7 de maio. A cerimónia estava marcada para esta terça-feira mas por respeito às vítimas não foi realizada, sendo que o cargo foi oficialmente atribuído de forma privada.

Comunidade realiza funerais das vítimas

A ainda em choque, a comunidade de Uvalde faz o luto pelas vítimas, com os funerais a serem realizados.  

Esta terça-feira foi a vez de duas meninas de 10 anos. Amerie Jo Garza, doce, marota e engraçada que gostava de nadar e fazer desenhos, e Maite Yuleana Rodriguez, aluna do quadro de honra que sonhava tornar-se bióloga marinha para ajudar baleias e golfinhos.

 

19 crianças e duas professores perderam a vida neste que foi um dos tiroteios mais mortíferos de sempre a acontecer numa escola primária nos Estados Unidos.