UE alarga lista de alvos de sanções e expulsa diplomatas em Bruxelas

UE
Lusa
PUB
Leaderboard - Pub CTT Western Union

Dezenas de políticos e empresários russos foram acrescentados à lista de sanções, tal como quatro bancos russos, referiu o chefe da diplomacia da União Europeia, Josep Borrell, em comunicado.

“Estamos a ampliar as listas de sanções, acrescentando dezenas de pessoas da política ao setor dos negócios e envolvidos em atividades de propaganda, e ainda mais entidades dos setores financeiro, da indústria militar e dos transportes, entre os quais quatro importantes bancos russos que, além de serem excluídos do sistema Swift, serão ainda proíbidos de participar em quaisquer transições financeiras na União Europeia”, referiu, em comunicado, o chefe da diplomacia da União Europeia, Josep Borrell.

O Alto Representante para a Política Externa e de Segurança da União Europeia (UE) acrescentou ainda ter decidido “designar ‘persona non grata’ a vários membros da Representação Permanente da Federação Russa na UE por envolvimento em atividades contrárias ao seu estatuto diplomático”.

Segundo Borrell, esta medida, em linha com decisões semelhantes tomadas por vários países, responde a “atos ilegais e disruptivos da Rússia contra a segurança da UE e dos Estados-membros”.

Estas medidas inserem-se no novo pacote de sanções a Moscovo, hoje propostas pela Comissão Europeia e que, salientou Borrell, “visam o Kremlin e as elites políticas e económicas que apoiam a guerra de [Vladimir] Putin na Ucrânia.

O embaixador da Rússia junto da UE foi convocado pelo secretário-geral do Serviço de Ação Externa para lhe ser comunicada a decisão.