Assaltava estabelecimentos com arma de fogo

Agente da PSP ferido em colisão

Homem foi detido pela PSP.

As autoridades detiveram na terça-feira um homem de 52 anos, suspeito de três crimes de roubo qualificado, disse o Comando Metropolitano de Lisboa da PSP em comunicado.

A PSP, “através da Divisão de Investigação Criminal e da 2.ª Divisão Policial, na sequência de duas ocorrências de roubos a estabelecimentos, perpetradas com recurso a arma de fogo”, vieram a “intercetar o seu presumível autor, um homem de 52 anos, vindo a efetivar a sua detenção, fora de flagrante delito, por três crimes de roubo qualificado”, escreveu a corporação na nota.

Ainda de acordo com as forças policiais, a detenção foi efetuada após as autoridades tomarem conhecimento de um roubo a um posto de abastecimento de combustível na zona de Marvila, às 13:30 de terça-feira.

O homem, que revelou “imediatamente, um comportamento suspeito e revelador” e estava vestido de forma “correspondente à retratada aquando da tomada de notícia do ilícito, detinha na sua posse uma réplica de arma de fogo”.

Na sua posse estava ainda uma série de raspadinhas, “que foram subtraídas numa papelaria momentos antes” com “recurso à referida arma, e que o mesmo prontamente assumiu a autoria”.

A PSP indicou ainda que recolheu “elementos de prova (…) pela prática do roubo ao posto de combustível (…) e ainda a uma farmácia na zona do Areeiro (…) ambos cometidos com recurso a arma apreendida”.

“Os roubos não foram consumados, tendo o suspeito fugido dos locais sem se ter apropriado de qualquer bem, ainda que tenham coagido ambos os funcionários dos estabelecimentos a ceder bens e dinheiro que alegadamente teriam à sua disposição, não vindo, todavia, a ser bem-sucedido”, acrescentou.

A PSP salientou, por fim, que o suspeito tem antecedentes criminais, “com especial incidência em crimes contra o património, contando com condenações que datam da década de 90″, a última, em cúmulo, “por mais de uma dezena de roubos e furtos qualificados, na pena final de 13 anos de prisão”.