Cartões do cidadão apreendidos em discotecas de Lisboa

Polícias atacados em Sintra

Apreensão ocorreu no âmbito de investigação sobre burlas qualificada e informática e falsificação de documentos.

Mais de 60 cartões do cidadão foram apreendidos na quinta-feira em dois espaços de diversão noturna em Alcântara, Lisboa, no âmbito de uma investigação sobre burlas qualificada e informática e falsificação de documentos, informou hoje a PSP.

Numa nota, a PSP alertou que os cidadãos que frequentam áreas de diversão noturna devem manter-se “atentos aos bens pessoais, especialmente documentos identificativos e cartões bancários, sob pena de poderem vir a ser usados para atividades ilícitas, tais como os crimes ora em investigação, ou vendidos na ‘dark web’”.

A polícia salientou que as apreensões foram feitas na sequência de um inquérito em que se investiga “um catálogo de crimes dos quais se destacam os crimes de burla qualificada, burla informática e falsificação de documentos”, e que conduziu a buscas nos dois espaços noturnos.

Durante as buscas foram identificados 18 cidadãos e apreendidos 63 cartões de cidadão, de nacionalidade portuguesa, e 12 cartões bancários, além de um cartão de cidadão de nacionalidade francesa, um passaporte brasileiro, duas cartas de condução portuguesas e uma autorização de residência.

“Os responsáveis pelos espaços de diversão noturna não podem reter ou conservar o cartão de cidadão, como garantia de pagamento ou por outro motivo qualquer”, destacou a PSP, alertando que os documentos retidos podem depois ser usados em atividades ilícitas.

A PSP salientou que, no caso de extravio, perda ou furto destes documentos, os titulares devem participar às autoridades, e que os responsáveis dos estabelecimentos noturnos estão obrigados a devolver os cartões perdidos nos estabelecimentos ao Instituto de Registo e Notariado ou às autoridades policiais, “sob pena de responsabilidade contraordenacional e criminal”.