Clima: Manifestação de estudantes junta dezenas em Lisboa contra “colapso civilizacional”

Clima: Manifestação de estudantes junta dezenas em Lisboa contra
LUSA/ Rodrigo Antunes

Jovens ativistas voltaram à greve global para exigir medidas dos governos para combater o aquecimento global.

Jovens ativistas realizaram hoje uma “greve climática global” coordenada para chamar a atenção para os seus receios relativamente aos efeitos do aquecimento global e exigirem mais apoio para os países pobres atingidos pelo mau tempo.

“O clima a aquecer e os políticos a ver”, ou “Não há planeta B” foram algumas frases gritadas hoje em Lisboa por dezenas de jovens manifestantes contra as alterações climáticas, alertando que o mundo está perante um possível “colapso civilizacional”.

O prenuncio é feito através das palavras de Teresa Núncio, porta-voz da manifestação estudantil, uma iniciativa de greve às aulas em prol do clima e pelo fim do uso de combustíveis fósseis e que vem na sequência do apelo internacional do movimento ‘Fridays For Future’, sextas-feiras pelo futuro, na tradução para português.

“O que estamos a enfrentar é a possibilidade de um colapso civilizacional se não fizermos nada e não mudarmos drasticamente”, disse a jovem, enquanto os jovens estudantes se iam organizando no jardim em frente ao Liceu Camões, em Lisboa, ponto de encontro para a manifestação, que depois seguiu até ao Ministério da Economia.

Além de Lisboa, os manifestantes saíram à rua em cidades como Jacarta, Tóquio e Berlim, com cartazes e faixas exibindo palavras de ordem como “Estamos preocupados com a crise climática” e “Não é demasiado tarde”.

As manifestações foram organizadas pelo movimento de jovens “Fridays for Future”, criado por iniciativa da ativista Greta Thunberg, que começou por protestar sozinha à porta do parlamento sueco, em 2018.