Contratação de Sérgio Figueiredo envolvida em polémica

Contratação de Sérgio Figueiredo envolvida em polémica
REUTERS/Yves Herman

A Transparência Internacional vê com indignação a contratação de Sérgio Figueiredo pelo ministério das Finanças. O antigo diretor de informação da TVI e ex-administrador da Fundação EDP terá sido recrutado como consultor estratégico.

Avaliar e monitorizar o impacto das políticas públicas: será este o trabalho de Sérgio Figueiredo no Ministério das Finanças, desde 29 de julho.

De acordo com o jornal Público, o Governo contratou o antigo diretor de informação da TVI como consultor estratégico. Segundo a mesma notícia, o contrato em questão é por ajuste direto, com duração de dois anos, e Sérgio Figueiredo vai auferir um ordenado ilíquido equivalente ao vencimento mensal de um ministro, ou seja 4767 euros.

Ao Público, o ministério de Fernando Medina confirma que o também ex-administrador da Fundação EDP foi contratado para prestar serviços de consultoria no desenho, implementação e acompanhamento de políticas públicas.

Ora, além de originar várias críticas por parte dos partidos com assento parlamentar, a escolha de Sérgio Figueiredo é vista com indignação por parte da Transparência Internacional. A organização não-governamental considera que é mais um caso padrão de patronagem política, que visa nomear amigos, em troca de favores. Neste caso, o organismo diz, seria uma retribuição pelo facto de Fernando Medina, agora ministro das Finanças, ter sido comentador da TVI na era de Sérgio figueiredo como diretor de informação.

Além disso, a ONG diz também não compreender a escolha em termos de currículo para o cargo, mas vai aguardar por mais informações no contrato de prestação de serviços que o Ministério das Finanças deverá publicar no portal Base da contratação pública.