Costa fala em “erro grave prontamente corrigido”

Costa ainda não sabe se terá acordo com PSD sobre o novo aeroporto e insiste no consenso
Lusa/António Cotrim

O primeiro-ministro explicou que mantém a confiança em Pedro Nuno Santos e espera atingir um acordo com o PSD para uma futura solução para o aeroporto de Lisboa.

António Costa reagiu esta tarde a toda a polémica que envolveu Pedro Nuno Santos e o despacho, entretanto revogado, que dava conta de uma nova solução para o aeroporto de Lisboa.

“Foi cometido um erro grave, felizmente prontamente corrigido, aquilo que era orientação do governo está restabelecida”, afirmou o Primeiro-ministro aos jornalistas.

António Costa explicou o Governo pretende alcançar uma solução de futuro e consenso para o aeroporto de Lisboa e que para isso é necessário debate com a oposição, nomeadamente o PSD. “Esta é uma decisão que já se atrasa há várias décadas e exige um consenso nacional e esse consenso exige um diálogo, um consenso com a oposição, pelo menos com o principal partido da oposição, o PSD”, explicou.

O Primeiro-ministro lembrou que não fez qualquer sentido ser publicado um despacho sobre uma eventual solução aeroportuária dois dias antes do Congresso do maior partido da oposição no qual um novo líder deverá tomar posse.

António Costa reforçou também a posição do Presidente da República a quem deverá ser fornecida toda a informação. “Todo este processo deve ser sempre seguido com toda a informação pelo Presidente da República, a quem o Governo deve manter informado enquanto responsável pela condução d apolítica externa e interna do país”, explicou.  

Quanto a Pedro Nuno Santos, António Costa reforçou a confiança no ministro afirmando ter a certeza de que este não agiu de “má fé.

“Tenho a certeza que o ministro das Infraestruturas não agiu de má fé, compreendeu o erro que cometeu teve humildade de o assumir publicamente. A confiança está totalmente restabelecida e espero que não seja cometido mais nenhum erro”, disse.