Defesa do fuzileiro acusado de matar Fábio Guerra pede julgamento de júri

Defesa do fuzileiro acusado de matar Fábio Guerra pede julgamento de júri
PUB

Alega que os jurados são “mais livres” do que os juízes.

A defesa do fuzileiro Cláudio Coimbra, acusado de homicídio qualificado do agente da PSP Fábio Guerra, em março, justifica o pedido de julgamento em tribunal de júri por considerar que os jurados são “mais livres” do que os juízes.

“Temos alguém que já está condenado na praça pública e nós pedimos tribunal de júri. Acreditamos que o povo, enquanto jurado – ao contrário das instituições, que, por vezes, se acobardam com a pressão da opinião pública -, perante as evidências não deixará de fazer justiça”, afirma à Lusa o advogado Miguel Santos Pereira, na sequência do despacho proferido na última semana pela juíza Helena Susano a validar o pedido apresentado.

O agente Fábio Guerra, de 26 anos, morreu a 21 de março, no Hospital de São José, em Lisboa, devido a “graves lesões cerebrais” sofridas na sequência de agressões de que foi alvo no exterior de uma discoteca em Lisboa.

O mandatário de Cláudio Coimbra entende que há “prova suficiente” no processo para fundamentar uma acusação do Ministério Público (MP) distinta daquela que foi apresentada em setembro e que imputou aos arguidos Vadym Hrynko e Cláudio Coimbra um crime de homicídio qualificado, três crimes de ofensas à integridade física qualificadas graves e um crime de ofensas à integridade física simples.

Exemplificou com os vídeos que demonstram que Fábio Guerra “é o primeiro a dar um murro no Cláudio”, que o militar estava alcoolizado e que os agentes da PSP envolvidos no caso “não estavam em serviço”. Por outro lado, aponta o peso da opinião pública sobre uma futura decisão dos magistrados judiciais do Juízo Central Criminal de Lisboa, onde vai decorrer o julgamento.

“Partimos do princípio de que os jurados são mais livres numa decisão de um caso como este. Existe menos pressão num jurado que vai ali decidir um caso uma vez e depois vai à sua vida do que alguém que tem de continuar ao serviço da justiça, sujeito a avaliações, pressões e interferências do poder para poder continuar a sua carreira, numa situação em que temos um caso em que a pressão mediática para condenar é muita”, observou.

Miguel Santos Pereira vai mais longe e enumera episódios neste processo que, no seu entender, criaram um caso de ausência de separação de poderes entre a política e a justiça, enfatizando que “a pressão mediática e política para que Cláudio Coimbra fosse o cordeiro de Deus que tirasse o pecado do mundo era muito grande” e que houve falta de imparcialidade e de objetividade das instituições envolvidas nesta situação.

“Tivemos [o almirante] Gouveia e Melo a aproveitar este caso para fazer campanha para as presidenciais, tivemos [o Presidente] Marcelo Rebelo de Sousa a pronunciar-se, tivemos [a então ministra da Justiça e da Administração Interna] Francisca Van Dunem… temos, provavelmente, uma das condecorações mais rápidas da história e uma indemnização paga de forma mais rápida. A pressão era muito grande para mostrar serviço”, defendeu.

Apesar de reconhecer que o historial dos julgamentos com jurados em Portugal se traduziu quase sempre em condenações pesadas, ao citar o caso Joana, Rei Ghob e Rosa Grilo como exemplos, Miguel Santos Pereira expressa a crença de que a probabilidade de conseguir um melhor resultado para Cláudio Coimbra é através do tribunal de júri.

“Muitos magistrados judiciais sofrem hoje a pressão de que, quando decidem contra a maré e a opinião pública, têm as suas vidas escrutinadas. E não querem, não estão para isso. Portanto, o mais confortável é passar entre os pingos da chuva para poderem subir a desembargadores ou conselheiros e fazerem a sua carreira. Os jurados não têm esta questão”, explica.