Desemprego registado em Portugal volta a subir em janeiro

Número de casais no desemprego sobe

Há mais de 355 mil inscritos nos centros de emprego.

O número de desempregados inscritos nos centros de emprego aumentou 2,3% em janeiro face a dezembro e registou uma redução de 16,1% comparando com o mês homólogo, para 355.868, segundo dados do IEFP.

Em janeiro registaram-se assim mais 7.909 desempregados inscritos face a dezembro e menos 68.491 desempregados em relação a janeiro de 2021, indica hoje o Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP).

O Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social divulgou uma nota na qual realça que a subida homóloga no primeiro mês do ano “é o menor aumento no mês de janeiro desde 2007”.

Os dados mostram que o desemprego jovem (pessoas com menos de 25 anos) aumentou 4,6% em cadeia (+1.661 jovens desempregados), mas registou uma queda de 24,9% (-12.513 jovens) face a janeiro de 2021.

Este é o segundo mês consecutivo em que o número de desempregados inscritos nos centros de emprego aumenta, após oito meses consecutivos de queda.

A nível regional, em janeiro, o desemprego registado, em termos homólogos, diminuiu em todas as regiões, com destaque para o Algarve (-23,7%) e a região autónoma da Madeira (-28,9%).

Em relação ao mês anterior, à exceção da região autónoma da Madeira, as restantes regiões apresentam acréscimos.

Por grupos profissionais, a percentagem de desempregados mais representativa registou-se nos “trabalhadores não qualificados” (25,4%), seguindo-se os “trabalhadores dos serviços pessoais, de proteção segurança e vendedores” (21,6%), o “pessoal administrativo” (11,7%) e os “especialistas das atividades intelectuais e científicas” (10,7%).

Relativamente ao mês homólogo (excluindo os grupos com pouca representatividade, ou significado, no desemprego registado), todos os grupos apresentaram diminuições nas variações homólogas, destacando-se os “trabalhadores de serviços pessoais, de proteção e segurança e vendedores” (-20,2%), “trabalhadores qualificados da indústria, construção e artífices” ( -19,2%) e os “operadores de instalações e máquinas e trabalhadores da montagem”(-18,6%).

A nível setorial, face ao mês homólogo, registaram-se descidas em todos os grandes setores de atividades: “agrícola” (-14,7%), “secundário” (-19,3%) e “terciário” (-16,2%).

Em cadeia, registou-se uma ligeira descida no setor “agrícola” (-0,5%).

No final de janeiro, as ofertas de emprego por satisfazer totalizavam 15.629 nos serviços de emprego de todo o país, um aumento anual de 45,6% (+4.894 ofertas), mas um decréscimo de 2,0%face ao mês anterior (menos 312).

Ao longo do mês de janeiro inscreveram-se nos serviços de emprego do IEFP 42.694 desempregados, número inferior em 13,3% ao observado no mesmo mês de 2021 e superior em 8,2% em relação ao mês anterior.

As ofertas de emprego recebidas ao longo do mês totalizaram 12.433, mais 26% em termos homólogos e mais 37,1% face a dezembro.

As atividades económicas com maior expressão nas ofertas de emprego recebidas ao longo do mês foram as “atividades imobiliárias, administrativas e dos serviços de apoio” (30,1%), o “alojamento, restauração e similares (11,2%) e o “comércio a grosso e a retalho” (9,4%).

As colocações realizadas durante o mês de janeiro totalizaram 8.521, número superior ao verificado em igual período de 2021 (+15,1%) e ao do mês anterior (+35,9%).