Linha Crianças em Perigo já recebeu mais de 2500 chamadas

Pedidos de ajuda das famílias com crianças com cancro aumentaram
Photo by Juan Pablo Serrano Arenas on Pexels.com

Desde que foi criada, a linha telefónica parta denunciar crianças em perigo já recebeu mais de 2 500 chamadas. Denúncias prendem-se com situações de abandono, menores sozinhos em casa ou em conflito parental.

Foi criada em maio de 2020 quando decorria o primeiro confinamento geral devido à pandemia de Covid-19 e pretendia conhecer a realidade das crianças em situações de risco num cenário de uma parentalidade fechada, como naquela altura estava o país.

Dois anos depois, a linha telefónica crianças em perigo recebeu 2550 chamadas segundo informou a Comissão Nacional de Promoção dos Direitos e Proteção de Crianças e Jovens, à agência Lusa.

As denúncias reportaram essencialmente situações de abandono, menores sozinhos em casa ou em conflito parental de violência doméstica. De acordo com o balanço, algumas situações mostraram ser graves ou muito graves sedo depois encaminhadas para a Comissão de Proteção de crianças e jovens.

Um esforço para mostrar que a responsabilidade de proteger crianças pertence a todos e que a sociedade civil deve estar atenta e denunciar situações de risco. A maior parte das chamadas foi feita por familiares, vizinhos e amigos das crianças visadas.

Em junho de 2020 a mesma organização criou também um formulário eletrónico com a mesma finalidade, tendo sido recebidas mais de 4 800 comunicações através desse mecanismo.

Todos os anos a Comissão Nacional de Promoção dos Direitos e Proteção de Crianças e Jovens acompanha cerca de 60 mil crianças, sendo que anualmente surgem cerca de 40 mil novos casos.