Maçãs e peras portuguesas entre as frutas com mais pesticidas da UE

Maçãs e peras portuguesas entre as frutas com mais pesticidas da UE
Pexels/ Matheus Cenali

A conclusão é de um estudo que mostra que a presença de substâncias nocivas em alimentos aumentou drasticamente nos últimos anos.  

As conclusões do Estudo da Pesticide Action Network, uma rede organizações não governamentais mundial, mostram que a presença de substâncias nocivas em alimentos aumentou drasticamente nos últimos dez anos.

Entre os piores alunos está Portugal. O estudo mostrou que as maçãs e peras cultivadas no país estão entre as frutas com mais pesticidas da União Europeia.

De acordo com o documento, foi encontrada contaminação por pesticidas perigosos em 85 por cento das peras nacionais testadas e em 58 por cento de todas as maçãs. Dessa forma, os dois frutos portugueses ocupam o segundo lugar do “ranking” da maior proporção de frutas contaminadas em 2019.

O estudo foi realizado em 2019, com a análise de mais de 97 mil amostras de variedades populares de fruta fresca cultivada na Europa.

Foram também foram analisados vegetais, que apesar de menos propensos a doenças e pragas, apresentaram também valores da presença de pesticidas. Couve, aipo e raiz de aipo foram os legumes mais contaminados.   

As conclusões agora reveladas mostram que em nove anos houve um aumento de 53 por cento da frequência de amostras contaminadas com os piores tipos de pesticidas, que podem estar relacionados com o aparecimento de cancro e outras doenças.

Em comunicado, a organização diz que os dados contradizem todas as alegações da Comissão Europeia, que alega uma diminuição da utilização deste tipo de substâncias, muitas delas proibidas nos estados-membros da União Europeia desde 2011.