Mais de 1600 bombeiros combatem incêndio na Serra da Estrela

Mais de 1600 bombeiros combatem incêndio na Serra da Estrela

Incêndio está ativo há sete dias.

Mais de 1600 operacionais combatem as chamas na Serra da Estrela, apoiados por 500 viaturas.

O incêndio, que deflagrou no concelho da Covilhã e alastrou para Manteigas, Gouveia, Guarda e Celorico da Beira, está ativo há sete dias e tem pelo menos três frentes.

O capotamento de uma viatura dos bombeiros de Loures na zona de Celorico da Beira fez ontem três feridos graves e dois ligeiros, segundo a Proteção Civil.

Segundo comandante nacional da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), Miguel Cruz, o acidente ocorreu no concelho de Celorico da Beira, no distrito da Guarda, que era ao final da tarde “a zona mais complicada” do teatro de operações.

De acordo com o investigador Miguel Almeida, da Universidade de Coimbra,  a orografia e as condições meteorológicas não ajudam, mas há mais fatores a dificultar o trabalho dos operacionais no terreno.

Em declarações à Lusa, considerou que este fogo “é muito complexo e dominado pela topografia, visto que é uma zona de montanha, e pelo vento que se tem levantado durante as tardes”.

Questionado sobre críticas que têm sido feitas ao combate a este incêndio, Miguel Almeida escusou-se a comentar algumas e considerou que outras “não são justas”, nomeadamente as que se dirigem à estratégia definida para a operação.

Alguns autarcas têm criticado a forma como tem sido combatido o incêndio na Serra da Estrela. O Governo já anunciou a compra de mais veículos de combate aos incêndios.