Mau tempo faz vários estragos em Lisboa

Mau tempo faz vários estragos em Lisboa

Foram muitos os estragos provocados pelo mau tempo que se verificou esta tarde em Lisboa. Estradas inundadas e carros destruídos foram algumas das consequências do temporal. IPMA confirmou a existência de um “tornado de fraca intensidade”.

A chuva que caiu na zona da capital nas últimas horas deixou um rasto de destruição. A freguesia de Alcântara foi uma das mais afetadas. O jardim Avelar Brotero ficou completamente destruído e vários carros foram atingidos por árvores.

Parte da cobertura do armazém do Banco Alimentar contra a Fome, junto à estação de Alcântara Terra, também foi destruída.

Na avenida da República, junto a Entrecampos, a estrada transformou-se num rio e os carros tiveram muitas dificuldades em passar. Quem optou pelos transportes públicos, enfrentou um autêntico desafio.

Naquela zona da cidade, um portão de uma garagem acabou por ceder com a força da água. Nas sarjetas era possível ver lixo acumulado que impedia que a água fosse escoada.

Também nas redes sociais estão a ser partilhados vários vídeos e as imagens que mostram ruas inundadas, estradas alagadas e o caos no trânsito. Desde a Avenida da República, passando por Sete Rios, pela Segunda Circular e pelo Parque das Nações. 

O Instituto Português do Mar e da Atmosfera confirmou entretanto a existência de um “fenómeno extremo em Lisboa”, que esteve na origem de um “tornado de fraca intensidade”, que provocou os vários danos relatados, principalmente na zona de Alcântara. 

Em declarações à agência Lusa, a meteorologista Patrícia Marques explicou que “uma supercélula, que passou com bastante atividade e fez um movimento rotacional que terá resultado na imagem semelhante a um funil”. De acordo com a meteorologista O “fenómeno de vento extremo” foi detetado pelos dados de radar do IPMA e teve “curta duração no tempo”.

Se da parte da tarde a cidade de Lisboa foi a mais afetada, de manhã, foi a zona norte que mais sofreu com o mau tempo. Em Ovar, vários locais ficaram inundados. Um veículo ficou retido num túnel e a circulação teve mesmo de ser cortada.

Já na Marinha Grande, o vento e a chuva forte também provocaram a queda de árvores que atingiram o telhado de uma empresa.