PJ identifica jovem suspeito de incêndio

Polícia Judiciária
Foto Record TV

Um jovem de apenas 14 anos é suspeito de atear um incêndio em Vila Pouca de Aguiar. O menor foi identificado pela Polícia Judiciária.

É até agora o mais novo suspeito de causar um incêndio, neste verão. Um jovem estudante de 14 anos foi identificado pela Polícia Judiciária, por ser o presumível autor do fogo que lavrou em Vila Pouca de Aguiar, distrito de Vila Real.

Em comunicado, a PJ explica que o episódio ocorreu sexta-feira, ao início da madrugada, no logradouro de uma habitação, quando o menor ateou um incêndio, com uma pilha de lenha.

Segundo a PJ, o menor colocou em perigo não só as habitações próximas, bem como uma densa mancha florestal de pinheiro-bravo, de valor elevado. Quanto às razões que o terão levado a cometer tal ato, a PJ fala apenas em motivos “fúteis”.

Depois de ouvido por um juiz, num primeiro interrogatório, ficou proibido de se aproximar dos avós paternos e da casa dos mesmos.

Também esta segunda-feira, a GNR dá conta de um outro presumível incendiário. Trata-se de um homem de 46 anos, que terá ateado fogos com um isqueiro em Vieira do Minho, no distrito de Braga. Foi detido na Póvoa de Lanhoso, na sexta-feira, e ficou em prisão preventiva, depois de ter passado o fim de semana no hospital de Braga, devido a problemas com alcoolismo. O incêndio em causa terá consumido uma área de dez mil metros quadrados.

Um outro homem de 49 anos foi hoje constituído arguido por ter originado um fogo em Celorico da Beira. As chamas terão tido origem num grelhador, que, associado às altas temperaturas que se faziam sentir, deram origem à ignição dos combustíveis finos existentes no terreno.

Estes são só os casos mais recentes. Até ao momento, as autoridades já detiveram largas dezenas de suspeitos por crimes associados a incêndios. O total ainda está por contabilizar, mas o que é certo é que desde o início do ano, já arderam quase 44 mil hectares de floresta, mais de metade só neste mês de julho, segundo dados provisórios do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas.