PJ nega indícios de agressões sexuais a criança morta em Setúbal

Jéssica morreu devido a uma dívida da mãe
D.R.

Apesar de algumas suspeitas, a autópsia não confirmou indícios de agressões sexuais contra a menina.

O Jornal de Notícias avançou esta quinta-feira que a autópsia ao corpo de Jéssica, a menina de três anos que foi morta em Setúbal, revelava indícios de possíveis agressões sexuais.

Uma informação agora desmentida pela polícia. João Bugia, coordenador da PJ de Setúbal, revelou à agência Lusa que, apesar de algumas suspeitas iniciais de eventuais agressões sexuais contra a menina, a autópsia não confirmou os indícios.

A autópsia à menina foi realizada na quarta-feira, mas ainda não foram conhecidas as conclusões oficiais. É esperado que o relatório saia entre hoje e amanhã, sexta-feira.

De recordar que Jéssica morreu na segunda-feira, após a mãe a ter isso buscar à casa da suspeita, agora detida, identificada como sendo a ama da criança. A menina ficou cinco dias ao cuidado daquela mulher mas quando regressou trazia sinais de evidentes maus-tratos como hematomas.

A PJ diz que a mãe de Jéssica foi “ardilosamente enganada” e terá levado a criança para junto da “ama” para que as duas mulheres pudessem sobre uma dívida de 400 euros. Na altura, a suspeita não permitiu que a mãe de Jéssica regressasse a casa com a criança.

A alegada ama, o marido e ainda uma filha de 27 anos ficaram detidos e deverão ser apresentados em tribunal ainda durante o dia de hoje.

A mãe de Jéssica e o padrasto também prestaram depoimentos na Polícia Judiciária mas saíram em liberdade.