Rui Moreira absolvido no caso Selminho

Selminho: Rui Moreira conhece hoje acórdão
PUB
Leaderboard - Pub CTT Western Union

Presidente da Câmara do Porto estava acusado de prevaricação por favorecer a imobiliária da família em detrimento do município.

Na leitura do acórdão, que decorreu no Tribunal de São João Novo, no Porto, a presidente do coletivo de juízes, Ângela Reguengo, disse que, em julgamento, não ficou provado que o autarca tenha dado instruções ou agido com o propósito de beneficiar a Selminho.

Segundo a juíza, também não ficaram provados os factos ilícitos que constam da acusação do Ministério Público (MP), que, nas alegações finais, tinha pedido a condenação do autarca a uma pena suspensa e à perda deste mandato.

Rui Moreira foi julgado pelo crime de prevaricação, acusado de favorecer a imobiliária da família (Selminho), da qual era sócio, em prejuízo do município do Porto, no litígio judicial que opunha a autarquia à imobiliária, que pretendia construir um edifício de apartamentos num terreno na Calçada da Arrábida.

Em conferência de imprensa, o político comentou a sua absolvição.

“Hoje fez-se justiça”, começou por dizer, agradecendo ainda ao Tribunal de São João Novo por ter “cumprido a sua nobre missão”.

“Para além da absolvição, foi reparada a minha honra e desfeita qualquer dúvida que ainda existisse. Não consigo esconder que sofri muito, sofri eu, sofreu a minha família. Sofreram os meus amigos. Sofreram muitos portuenses, que insistentemente se dirigiam a mim sempre com palavras de apoio e de força. Estas acusações sempre foram um insulto e uma enorme infâmia”, salientou.