Urgências dos hospitais continuam sobrelotadas

Governo está a acompanhar situação nas urgências e pede recurso dos cidadãos ao SNS24
Envato

Autoridades de saúde apelam que se recorra às urgências hospitalares apenas em caso de doença grave.

As urgências dos hospitais continuam sobrelotadas em todo o país. O Santa Maria, em Lisboa, tem recebido quase 700 doentes por dia. Esta situação fez disparar o tempo de espera e houve quem tenha estado nas filas mais de um dia para ser visto por um médico.

Mais a Norte, a situação é semelhante, no início desta semana, o São João, no Porto, atendeu mais de mil doentes o segundo número mais alto do ano. A maioria dos casos apresentava um quadro clínico de vírus respiratório, metade era não urgente.

As autoridades de saúde recomendam à população que, em caso de doença súbita, contacte primeiro, a linha SNS 24 (808 24 24 24), reservando as situações agudas, graves, urgentes e emergentes para atendimento no hospital.

Num balanço da afluência às urgências do Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central (CHULC), verifica-se que tem estado a aumentar progressivamente, “com picos ocasionais à segunda-feira”, aproximando-se do que era a afluência às urgências no período antes da pandemia.

O número mais elevado foi registado na última segunda-feira, com 901 casos, e no dia 31 de outubro (também segunda-feira), com 805, segundo dados divulgados à Lusa pelo CHULC, que engloba os hospitais São José, D. Estefânia, Capuchos, Curry Cabral, Santa Marta e Maternidade Alfredo da Costa.

“Os doentes não urgentes representam, atualmente, 30 a 40% do total de admissões na urgência”, refere, adiantando que as principais causas da procura continuam a estar relacionadas com doentes idosos, com múltiplas comorbilidades e descompensação de doenças crónicas.

O centro hospitalar diz que, até ao momento, não houve necessidade de ativar o plano de contingência, mas, “pontualmente, tem sido necessário fazer reforços em algumas equipas, com o recurso a horas extraordinárias”.

O Hospital Fernando Fonseca (Amadora-Sintra) ultrapassou na última semana o valor observado no período homólogo antes da pandemia de covid-19.

Entre 31 de outubro e 06 de novembro, o hospital registou 5.601 episódios de urgência, correspondendo a uma média de 800 casos diários, um número médio de episódios superior ao registado no ano de 2019, no mesmo período (740).

De acordo com a Triagem de Manchester, cerca de 60% dos doentes admitidos nos serviços de urgência do Hospital Fernando Fonseca são casos pouco urgentes e não urgentes.

“Neste período, como habitual nesta fase do ano, o principal motivo de admissão nas Urgências no Hospital Fernando-Fonseca são as patologias infecciosas”, adianta.

O Centro Hospitalar Lisboa Ocidental (CHLO), que integra os hospitais São Francisco Xavier, Egas Moniz e Santa Cruz, registou, entre 01 e 08 de novembro, 2.231 casos na urgência geral, 1.195 na urgência pediátrica e 319 na urgência obstétrica.

O maior número de episódios registado nas três urgências foi na segunda-feira, com um total de 594 casos.