Estão a contaminar os oceanos, foram encontrados no interior do peixe que comemos e em outros animais marinhos. Os microplásticos já foram detetados em sangue humano, pulmões e até na neve fresca da Antártida. Agora, foram encontrados na carne e no leite que bebemos.

As conclusões são de um estudo realizado por cientistas da Vrije Universiteit em Amesterdão, nos Países Baixos e revelam que foram detetadas partículas em leite e carne de vaca de ainda em carne de porco.

Os investigadores analisaram 12 amostras de sangue de vaca e outras 12 de sangue de porco. Encontraram microplásticos em todas.

Quando foram analisadas amostras de carne, as conclusões não foram menos assustadoras. Sete das oito amostras de carne bovina e cinco das oito amostras de carne suína continham também elas, microplásticos. 

De acordo com o mesmo documento, os cientistas desta universidade analisaram ainda vários tipos leite, diretamente das prateleiras do supermercado, retirado de tanques em quintas de explorações de leite e até diretamente da fonte, recolhido na ordenha dos animais. Em 25 amostras de leite analisadas, 18 continham microplásticos.

Origem da contaminação

Sabemos que o plástico faz parte do nosso dia a dia, mas estes cientistas quiseram perceber a origem da contaminação. Já dizia a expressão: “somos o que comemos” e o mesmo se aplica aos animais sendo que a resposta para este enigma pode ter várias explicações.

A principal pode estar relacionada com a ingestão direta, ou seja, rações.

 Foi através das rações que consumiram que estes animais ficaram maioritariamente expostos, sendo que em 12 analisadas, todas, apresentavam sinais de contaminação, ao contrário dos alimentos frescos examinados durante a investigação.

Ainda assim, os cientistas não descartam a contaminação através de uma exposição durante o processo de industrialização da carne, nomeadamente o embalamento.

“Todas as carnes foram embaladas em plástico (tanto as que foram recolhidas diretamente dos agricultores como as do supermercado), e a embalagem é obviamente uma potencial origem das partículas plásticas medidas nestes produtos, embora tenha sido retirada e analisada apenas uma parte interior da carne. As etapas de processamento da carne também podem ser pontos no processo durante o qual a contaminação plástica pode ter sido introduzida”, é possível ler no documento.

Dado os resultados apresentados após a investigação, os cientistas acreditam que é muito provável a exposição de seres humanos aos microplásticos. “Como as partículas de plástico estavam presentes em amostras de carne, é razoável supor que os humanos são expostos ao plástico por consumo de carne”, explicam.

Ainda assim, explicam que é necessário desenvolver mais investigação sobre o tema para determinar se existe uma contaminação efetiva nos seres humanas e se esta pode ser ou não nociva para o nosso organismo.

Microplásticos encontrados em sangue humano e pulmões

Microplásticos já estão na carne e leite que bebemos
Ckstockphoto, Envato

Um estudo publicado na revista Science of The Total Environment documentou a primeira vez que foram encontrados microplásticos em pulmões de seres humanos.

De acordo com as conclusões apresentadas, foram detetados vestígios em 11 das 13 amostra analisadas. O estudo detalhou ainda que as partículas foram encontradas em diferentes partes dos pulmões analisados, incluindo zonas mais profundas, conclusões que os próprios investigadores não estavam à espera.

“Não esperávamos encontrar o maior número de partículas nas regiões inferiores dos pulmões, ou partículas do tamanho que encontramos”, disse ao The Guardian, Laura Sadofsky, uma das autoras do estudo. “É surpreendente, dado que as vias aéreas são mais estreitas nas partes inferiores dos pulmões. Esperávamos que partículas destes tamanhos fossem filtradas ou presas antes de chegar tão fundo”, acrescentou.

Entre os vários microplásticos encontrados, os mais comuns foram o polipropileno, utilizado para fazer embalagens plásticas e o PET, usado em garrafas.

Mas descobertas científicas não se ficam por aqui. Um estudo publicado na revista “Environment International” identificou, pela primeira vez, partículas de microplásticos em sangue humano. 

Os investigadores analisaram o sangue de 22 dadores saudáveis, tendo encontrado microplásticos em 17 amostras. Desta forma, 80 por cento dos dadores continham partículas no sangue, que navegam pelo organismo e podem mesmo alojar-se em órgãos, com um impacto para a saúde ainda desconhecido. O impacto desta descoberta é ainda desconhecido. 

A contaminação resulta da poluição por plásticos existente no planeta, com as pequenas partículas deste material a serem ingeridas através do alimentos e água que consumimos. O estudo explica que as partículas também podem ser inspiradas pelos seres humanos. 

FONTEMicrogen, Envato