Tem 49 anos, é apresentador, jornalista e chega ao coração do público com o seu sorriso e energia contagiantes. Apresenta inúmeros programas e é um comunicador nato. Desde os 16 anos que Celso Zucatelli se dedica a cem por cento ao que realmente ama. Profissionalmente, tem dividido os seus trabalhos entre o entretenimento e a informação. 

É considerado uma das caras mais simpáticas da Record TV. Esse é um elogio que recebe muitas vezes?
Tento e esforço-me para isso. [risos] Tento sempre ser ‘no ar’ a mesma pessoa que sou ‘fora do ar’ o meu objetivo é sempre esse, tento ficar o mais àvontade possível. Claro que às vezes corremos algum risco, porque ficamos tão àvontade que até nos esquecemos de que estamos ‘no ar’, mas foi esta a forma que eu encontrei para me sentir feliz enquanto trabalho. Adoro o meu trabalho, adoro conversar com os telespectadores. 

Da informação ao entretenimento, o Celso está confortável em várias áreas. Sente-se como um ‘peixe na água’?
Sou um homem que tem ‘sede’ de conhecimento, quero sempre aprender. Então, quando alguém me oferece algo novo eu digo ‘eu vou!’. Perguntam-me ‘fazes um programa?’ e eu respondo ‘sim’ – aceito tudo o que puder fazer, ‘vou logo’. Acho que uma das melhores coisas da nossa profissão é justamente a possibilidade que temos de aprender. Terminamos sempre o nosso dia a aprender algo novo, o que é um privilégio! Por isso é que sempre que alguém me oferece algo novo esforço-me sempre muito, porque estou sempre pronto para aprender. É isso que dá ‘gozo’ na nossa profissão: seja no jornalismo, seja no entretenimento, seja a apresentar algum reality show, sorteio, jornal… O importante é aprender e absorver algo. Temos de fazer isto com muito amor e agradecer por termos esta oportunidade.

Entrevista Celso Zucatelli
Celso Zucatelli na visita às instalações da Record TV Europa | © D.R.

De todos os programas que já fez (‘A Fazenda – Tudo a Ver’, ‘Fala Brasil’, ‘Balanço Geral’, ‘Hoje em Dia’, ‘Quilos Mortais’…), qual é aquele que gostaria de voltar a fazer e porquê?
Gosto muito de entretenimento, mas também sou apaixonado pela informação. Muitas vezes na minha carreira aconteceu estar ‘fora’ do jornalismo e acontecia algum acontecimento grande em que eu não estava a participar. Nesses momentos, ficava com umas saudades enormes, ficava sempre a querer fazer parte desses trabalhos. A informação é a minha formação, sou formado em jornalismo. No entanto, o entretenimento oferece a possibilidade de conversar de uma forma mais ‘solta’, mais leve e alegre. Então, também adoro o entretenimento. Apresentar um reality show é uma delícia e os programas de variedades também são muito ‘gostosos’! Estes formatos de entretenimento fazem com que tenhamos uma linguagem muito mais próxima daquela que normalmente usamos e isso dá-me uma alegria enorme. 

O Celso foi correspondente internacional nos Estados Unidos. Tem saudades desses tempos? Gostava de voltar a viver noutro país?
Esse foi, sem dúvida, um dos melhores momentos da minha carreira – digo isto em todas as minhas entrevistas. Como fui apresentador muito cedo, e acabei por apresentar telejornais e coisas do género, fiquei um pouco distante da possibilidade de ser correspondente. Quando apareceu essa hipótese tratou-se de uma oportunidade que achei única e incrível! Era um sonho meu enquanto jornalista. Foi também um momento muito especial, pois cobri a primeira eleição do Barack Obama, nos Estados Unidos. Também na mesma época acontecia a crise financeira americana, que seguramente se tornou numa crise financeira mundial. Tinha terminado há poucos anos um MBA em Finanças, nos Estados Unidos. Então, era uma temática para mim muito ‘viva’, forte e próxima. Estava a viver algo muito especial, tanto na minha carreira, como em tudo o que eu dominava. Amei ser correspondente, foi maravilhoso! 

Enquanto homem de causas, tem uma paixão enorme por animais e pelo seu bem-estar… Eles são um grande amor na sua vida?
Sim, de verdade. Sou absolutamente apaixonado por animais – eles só dão amor e carinho, e nós só temos de ensinar ao humano que eles merecem isso mesmo, é o mínimo que nós podemos fazer. Abraço e trabalho ativamente nesta causa e tento apoiar da melhor maneira possível até desenvolvo aplicações e tudo o que possa ajudar a estimular a adoção e educar para poder combater os maus-tratos. Os telespectadores sabem que em casos de violência contra animais eu ‘perco a cabeça’ – fico louco, porque não me conformo. Como é que alguém é capaz de maltratar um ser que só te dá amor? Fico a pensar muito nisso… 

Os três cães que tem casa são muito queridos… No entanto, as suas coleções de meias também não passam nada despercebidas. Já pensou em criar uma marca sua? Quem sabe até combiná-las com as roupas das suas cadelas [risos]…
Bem visto! [risos] Sabes que no outro dia ganhei umas meias com a cara dos meus animais e eu até as usei numa entrevista! Esta história das meias tem a ver justamente com o meu objetivo de descontrair um pouco e quando estamos a fazer notícias pesadas – o noticiário é realmente pesado – tenho a necessidade de poder dar uma energia mais leve para também mostrarmos um pouco do que nós somos de verdade. Se pudermos levar um pouco deste lado também para o ‘ar’ é uma ótima maneira de relaxar e descontrair. Fico muito feliz por fazer isso.

Temos de ver sempre o lado positivo, claro que encontramos coisas negativas, mas temos de escolher e eu escolho as coisas que me fazem feliz

Costuma ir com os seus animais para todo o lado?
É só amor! Gosto muito de viajar e alguns destinos não funcionam para eles – muito tempo de avião, por exemplo. Então, pode não ser muito agradável. Sempre que posso e acho que é bom para eles – por exemplo, uma viagem próxima de carro ou para um local que seja ótimo para que eles corram e possam estar à vontade – levamo-los. Quando é uma viagem mais trabalhosa não os levamos, porque não faz sentido. Temos de escolher bem desta forma. Eles andam de mota comigo, e gostam. [risos] Estas ‘voltinhas’ ainda dão para fazer. 

Relativamente aos seus projetos para breve, o que tem planeado?
Estamos a fazer imensas coisas! Claro que alguns conteúdos vão para a Record Internacional, outros são transmitidos apenas no Brasil. No Brasil estamos a transmitir ‘Quilos Mortais’, que é um reality show internacional e faz um sucesso enorme. Aos domingos sou um dos apresentadores de um sorteio (‘São Paulo de Prémios’) feito só para o público brasileiro. Mas ainda vão surgir algumas novidades durante o ano, que vão poder assistir também na Europa.

Entrevista Celso Zucatelli
Celso Zucatelli aproveitou o bom tempo e as ondas de Portugal para fazer surf | © D.R.

Acho que nunca o vi sem um sorriso na cara. Há algum segredo para estar sempre bem-disposto?
Sou muito feliz porque amo o que faço. Comecei esta profissão muito jovem, apenas com 16 anos – e já há 30 anos que me considero alguém profissionalmente muito abençoado. Acredito que foi Deus que escolheu isto para mim. Não tinha ideia nenhuma do que queria fazer – não sabia mesmo! Gosto muito de viajar, então o plano era ficar um ano fora e só depois fazer a universidade – mas naquele ano isso não foi possível. Por isso, acabei por adiar a minha viagem, entrei na universidade e encantei-me com esta profissão. Agradeço imenso a Deus todas as oportunidades que tive – e tenho. Por poder fazer o que realmente amo também tenho de agradecer muito à minha família. Temos de ver sempre o lado positivo. Claro que encontramos coisas negativas, mas temos de escolher e escolho as coisas que me fazem feliz. Valorizo o que me faz bem e o que me faz mal deixo passar.

Que mensagem gostaria de deixar aos seus fãs na Europa?
Só consigo agradecer o trabalho ‘lindíssimo’ que a Record TV Europa e a Record Internacional fazem. Acho incrível conseguirem produzir conteúdos em Portugal e também mostrarem os conteúdos produzidos no Brasil. Fazemos uma conexão que poucas emissoras são capazes de fazer, e por isso agradeço-vos muito. Quero deixar um enorme obrigado ao telespectador por ligar a televisão, por acreditar e valorizar o nosso trabalho. Fazemos com muito amor e carinho – assim continuará a ser. O nosso grande objetivo é deixar sempre o telespectador feliz.

FONTE© Record TV Europa