Dedica-se ao mundo artístico há vários anos. Bailarina solista e atriz, ela coloca alma e coração em tudo o que faz. Regina Ribeiro esteve em Portugal e contou tudo sobre a sua arte à Record TV Europa.

Regina, em que momento é que surge a dança na sua vida?
Comecei com oito anos, numa escola de dança no Rio de Janeiro – onde fiquei nove anos da minha vida. Fiz uma prova para entrar no teatro municipal e acabei por ficar bailarina durante três anos. Fui a primeira solista até hoje. Já conto com 35 anos de carreira e agora despeço-me do palco e do teatro para lançar a minha história em Lisboa.

Acredita que a música e o teatro também são uma forma de se conseguir expressar?
Sim, claro.

De que forma é que passa a sua mensagem através da dança?
A dança já se expressa por si mesma. Através do nosso corpo conseguimos manifestar sentimentos e contar uma história. É importante conseguirmos emocionar o público com a nossa dança.

Quando esteve em Portugal teve a oportunidade de atuar perante o público luso. Qual foi a sensação?
Eu não queria ir embora. [risos] Dancei em Sintra e foi maravilhoso! No final vieram falar comigo para me pedir para voltar brevemente. Estava com roupa de ballet, mas a sambar. Foi muito bom.

O público português é supercaloroso

É mentora de um projeto destinado a crianças sem acesso a este tipo de arte. Qual é o seu principal objetivo?
O principal objetivo é a formação desde criança – como eu vivi na escola de dança. Quero formá-las até os seus 18 anos, para que possam seguir uma carreira como bailarinas. Desde o clássico ao moderno e contemporâneo, ou até mesmo o teatro! Quando eu tinha oito anos, não havia estes projetos sociais. Tínhamos de ou fazer provas ou pagar para entrar numa academia. Os projetos sociais formam crianças que, por causa das mensalidades, não conseguiriam entrar numa academia.

Acredita que o lado artístico vai estar sempre presente na sua vida?
Sim, vai estar sempre. Neste momento tenho 54 anos e estou a continuar a seguir esse lado. Estou a dar continuidade a esse meu projeto, mas também tenho um espetáculo separado, o ‘Dança in Rio’ – um stand-up com dança. Pretendo também trazer para Lisboa esse espetáculo, por isso só tenho de continuar este sonho.

FONTED.R.