PUB
Leaderboard - Pub CTT Western Union
Deco Proteste - Share Magazine - Opinião
DECO

Organização de Defesa do Consumidor.

Mas as semanas de ‘preços loucos’, as campanhas ‘até 50% de desconto’, a semana da ‘sexta-feira negra’ ou as ‘promoções mais baixas de sempre’ são sempre boas oportunidades de compra? Vale a pena comprar ‘tudo e mais um par de botas’? Seja um consumidor consciente, informado e sustentável!

O que saber antes de decidir comprar?

O “preço mais baixo anteriormente praticado” é o preço mais baixo a que o produto foi vendido, fora de eventuais períodos de saldo ou de promoção, nos 90 dias anteriores ao dia em que é posto à venda em saldo ou em promoção. Já a “percentagem de redução” é relativa ao preço mais baixo anteriormente praticado ou, tratando-se de um produto não comercializado previamente naquele estabelecimento, respeita ao preço a praticar após o período de redução. Na venda com redução de preço deve ser indicada, de modo inequívoco, a modalidade de venda, o tipo de produtos, a respetiva percentagem de redução, bem como a data de início e o período de duração.

Acautele-se, informe-se e evite comprar ‘gato por lebre’

A utilização de ‘promoção’, como seja ‘pague 2 e leve 3’, pode ser uma falsa ação de poupar, desde logo porque pode nem estar a precisar dos produtos, e comprá-los pelo impulso de estar em promoção. Antes de comprar estes artigos, verifique também a data de validade e pense bem se realmente precisa deles.

Leia primeira e atentamente os folhetos promocionais. Embora os descontos possam ser uma oportunidade para poupar dinheiro com as reduções de preço, há que ser crítico na escolha. Verifique se o preço compensa – por vezes preços de marca branca ou sem estar em promoção são opções ainda mais baratas; se precisa efetivamente do produto; analise as dimensões das embalagens; e não se esqueça de confirmar se o valor registado na caixa corresponde ao anunciado.

Se preferir comprar à distância, via Internet, esteja preparado para enfrentar centenas de anúncios de ofertas imperdíveis. Desde a oferta de portes e outras despesas à compra de um artigo com 70% de desconto tudo parece ser uma oportunidade única. Porém, muitas lojas online impõem um limite mínimo de compras para oferecer os portes de envio, levando o consumidor a gastar mais do que planeado na sua compra inicial para não ter de suportar os custos de entrega.

É o caso paradigmático do ‘barato sai caro’, por exemplo: o limite mínimo para poder usufruir dos portes de envio gratuitos é de 30 euros e o da sua compra é de 20 euros. Se o custo de envio for 5 euros não poupará nada em gastar mais 10 euros noutro produto, que, talvez, nem seja imprescindível.

O que devo ainda saber sobre descontos, promoções e reduções de preço?

Os problemas mais comuns neste tipo de compra relacionam-se com as trocas de bens, sobretudo se aproveitou a campanha de saldos ou redução de preço para comprar presentes. O consumidor deve saber que o comerciante não é obrigado a trocar os artigos vendidos, a maioria efetua a troca por cortesia. Nada como dialogar com o comerciante e informar-se sobre a sua política de trocas ou devoluções.

E se o bem tiver defeito?

A troca é obrigatória. O consumidor dispõe de um prazo de dois meses para denunciar os defeitos em bens móveis. Não se esqueça de guardar o recibo com o preço e a discriminação dos artigos comprados para exigir o cumprimento deste direito.

Quanto aos meios de pagamento, informamos que as lojas não são obrigadas a aceitar cheques ou cartões de crédito ou débito, por isso, tanto numa época regular como na época de saldos, estes podem ser recusados. Contudo, tal informação deve estar afixada de forma visível para o consumidor. Se estas formas de pagamento foram usadas em épocas normais, os comerciantes são obrigados a aceitá-las em época de promoção.

E se as compras não correrem bem?

Reclame! Faça valer os seus direitos. Deve sempre reclamar por escrito e para tal pode usar o livro de reclamações do estabelecimento comercial. Tem ainda a possibilidade de recorrer à Autoridade de Segurança Alimentar e Económica – ASAE e pode sempre recorrer à sempre com a DECO.

Conte com o nosso apoio e aconselhamento. Marque a sua consulta através dos contactos: 213 710 200. Relate-nos o seu problema pela linha WhatsApp 966 449 110 ou email ([email protected]). Visite o nosso site DECO.PT e siga-nos nas páginas de Facebook, Twitter, Instagram e LinkedIn. 

FONTE© Envato