PUB
Leaderboard - Pub CTT Western Union
Pedro Fernandes - Share Magazine - Opinião
Pedro Fernandes

Contabilista certificado

A compra de casa sempre foi uma prioridade para a maioria das famílias portuguesas e quase sempre implica a contratação de um financiamento bancário, que, se for mal feito, pode tornar-se num verdadeiro pesadelo.

No crédito habitação são muitos os leitores que, certamente, já foram ou serão confrontados com as siglas FINE, SPREAD, TAN, TAEG e MTIC… há para todos os gostos, mas vamos focar-nos nas mais relevantes. Afinal o que significam? Vamos tentar descodificar de uma forma simples e prática a linguagem complexa do crédito.

Ficha de Informação Normalizada Europeia ou FINE, esta será a primeira sigla que, provavelmente, vai ouvir, pois refere-se ao documento entregue pelo banco ao cliente, onde consta toda a informação de que precisa para escolher o crédito.

Obviamente, dá trabalho ler tanta informação, mas poderá poupar milhares de euros se a entender. Não caia no erro de olhar apenas para a prestação que irá pagar.

Comece por analisar a TAEG ou Taxa Anual de Encargos Efetiva Global, afinal, mais do que o spread (margem de lucro do banco), é a taxa que deverá usar para comparar as simulações que tem dos vários bancos.

Através desta taxa fica a saber quanto irá pagar, entre todos os serviços que lhe tentarem ‘vender’ para baixar o tal spread. Esta taxa engloba todos os impostos, seguros, comissões e despesas relevantes, sem esquecer os encargos com os juros.

Mas há ainda outra medida de comparação que poderá usar: o MTIC, ou Montante Total Imputado ao Consumidor. É em tudo semelhante à TAEG, contudo é apresentado em montantes. É um número que revela o valor total que irá pagar até ao final do seu crédito. E, não se assuste, é mesmo elevado.

Para evitar surpresas desagradáveis, consulte as últimas páginas da FINE onde consta a mensalidade a pagar se a Euribor subir para os valores mais elevados dos últimos 20 anos, qualquer coisa a rondar os 5%. Avalie se tem mesmo condições para suportar esse encargo, pois não poderá dizer que não foi avisado.

É assim que tem de começar a comparar as propostas de crédito, seja qual for a sua finalidade, afinal, um crédito com o spread mais baixo não é, necessariamente, o melhor ou o mais barato.

FONTEJean van der Meulen