Lula vence nas urnas sem garantir eleição à primeira volta

Lula vence nas urnas sem garantir eleição à primeira volta
PUB
Leaderboard - Pub CTT Western Union

Segunda volta das eleições brasileiras realiza-se a 30 de outubro.

O ex-presidente brasileiro Lula da Silva ganhou as eleições gerais de domingo sem garantir a eleição à primeira volta, mas mostrou-se confiante de que em 30 de outubro ganhará a segunda volta ao Presidente Jair Bolsonaro.

Com 99,68% das secções eleitorais apuradas, o candidato do Partido dos Trabalhadores, Luís Inácio Lula da Silva, tinha 48,35% dos votos, contra 43,27% do Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro.

Após passar boa parte da noite eleitoral em segundo lugar nos resultados parciais, Lula da Silva ultrapassou Bolsonaro poucos minutos após as 20:00 (00:00 de hoje em Lisboa), quando estavam contabilizadas 70% das secções eleitorais, uma “virada” que mereceu festejos entre os seus apoiantes.

Quase uma hora e meia depois, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) deu como matematicamente definidos os resultados eleitorais, confirmando a vitória de Lula e mostrando ser inevitável a passagem à segunda volta, prevista para 30 de outubro.

No seu discurso de vitória, o ex-presidente mostrou-se confiante numa vitória e disse que a segunda volta será apenas uma “prorrogação”.

“Sempre achei que nós iríamos ganhar as eleições e nós vamos ganhar as eleições. Isto para nós é apenas uma prorrogação”, afirmou em São Paulo.

O ex-presidente disse acreditar que nada acontece por acaso e avisou que irá começar a campanha já na segunda-feira.

“Para desgraça de alguns tenho mais 30 dias para ir para a rua. Adoro fazer campanha, adoro fazer comício” e “vai ser importante porque será a chance de fazermos um debate com o Presidente da República. Acho que é uma segunda chance que o Bolsonaro me dá”, afirmou, adotando um tom confiante.

Já depois das 22:30, (02:30 em Lisboa), Jair Bolsonaro reagiu também aos resultados eleitorais, afirmando ter vencido a “mentira” das sondagens que lhe davam apenas 36% nas intenções de voto e antecipavam a possibilidade de Lula da Silva ser eleito à primeira volta.

O ex-presidente brasileiro liderou as sondagens com uma margem relevante e parecia ter hipóteses de vencer na primeira volta, mas os números divulgados pelos principais institutos de pesquisa no país não se confirmaram nas urnas e a diferença entre Lula e Bolsonaro ficou em cerca de cinco pontos percentuais.

Em terceiro lugar, mas com apenas 4,17% dos votos, ficou a candidata Simone Tebet, enquanto o candidato Ciro Gomes ficou foi o quarto mais votado, com 3,05%.

Na reação aos resultados, Simone Tebet deu um prazo de 48 horas aos partidos que a apoiam para que definam o seu voto na segunda volta, prometendo tornar pública a sua decisão.

“Eu já tenho lado, não me vou acovardar”, disse Simone Tebet.

Ciro Gomes, por seu lado, disse estar “profundamente preocupado com o que está a acontecer no Brasil” e considerou haver “uma situação potencialmente ameaçadora” ao futuro do país.

“Deem-me mais algumas horas para falar com o meu partido, com os meus amigos, para ver como mais bem servir a nação brasileira”, pediu o antigo ministro de Lula da Silva.

Soraya Tronicke (0,51% dos votos), Luís Felipe D’Ávila (0,47%), Padre Kelmon (0,07%), Leonardo Péricles (0,05%), Sofia Manzano (0,04%), Vera Lúcia (0,02%) e Eymael (0,01%) foram os restantes candidatos das eleições gerais de domingo.

Mais de 156 milhões de eleitores brasileiros foram hoje chamados às secções de voto nas 577.125 urnas eletrónicas espalhadas por 5.570 cidades do país.