Bolsonaro diz que aceitará eventual derrota

Bolsonaro diz que aceitará eventual derrota
PUB

Presidente brasileiro pede “eleições limpas”.

O presidente do Brasil declarou que aceitará uma derrota nas urnas, negou ter ofendido juízes e afirmou não ter cometido erros na gestão da pandemia da Covid-19, numa entrevista ao Jornal Nacional.

“Seja qual for [o resultado], eleições limpas devem e tem que ser respeitadas (…) Serão respeitados os resultados das urnas desde que as eleições sejam limpas”, afirmou, na segunda-feira, Jair Bolsonaro, de foram relutante, ao ser questionado se vai aceitar o resultado da votação em urnas eletrónicas, adotadas no país em 1996.

O presidente brasileiro tem afirmado reiteradamente, sem apresentar provas, que o voto eletrónico é alvo de fraude.

Questionado sobre as razões que levam os seus apoiantes a manifestarem publicamente o desejo de que o Brasil adote uma intervenção militar, mantendo-o no Governo, Bolsonaro minimizou estes pedidos e disse tratar-se de liberdade de expressão.

“Quando alguns [apoiantes] falam em fechar o Congresso, é liberdade de expressão deles. Eu não levo para esse lado”, afirmou.

Sobre os motivos que o levam a fazer manifestações públicas contra juízes do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e do Supremo Tribunal Federal (STF) publicamente, Bolsonaro negou ter ofendido ministros [tratamento dado aos juízes de tribunais superiores brasileiros].

“Você [o jornalista Willian Bonner] não está falando a verdade quando fala em xingar ministro, isto não existe. É uma ‘fake news’ da sua parte. O que eu quero é transparência nas eleições”, afirmou.

Bonner lembrou que Bolsonaro chamou, no ano passado, “canalha” ao juiz do STF e atual presidente do TSE, Alexandre de Moraes, durante uma manifestação que reuniu milhares de apoiantes, em 07 de setembro, dia em que se comemora a Independência do Brasil.

Bolsonaro também negou erros cometidos na gestão da pandemia, apesar de o Brasil se um dos países com mais mortes causadas pela Covid-19 (mais de 700 mil) e esquivou-se a responder se tinha faltou compaixão de sua parte por ter imitado pacientes com crises de falta de ar, numa transmissão ao vivo que faz semanalmente nas redes sociais.

“A solidariedade eu manifestei conversando com o povo nas ruas, visitando as periferias de Brasília, vendo pessoas humildes que foram obrigadas a ficar em casa sem ter um só apoio de governador ou prefeito. E nós demos auxílio emergencial imediatamente”, rebateu.

Apesar de ter feito declarações públicas nas quais questionou a eficácia das vacinas contra a Covid-19 e de afirmar não ter sido vacinado, o chefe de Estado brasileiro defendeu a política do Governo na pandemia, alegando ter comprado vacinas para a população.

“Nós compramos mais de 500 milhões de doses de vacina, só não se vacinou quem não quis. Comprada por mim e em tempo bem mais rápido do que em outros países”, declarou.

Bolsonaro citou que a vacinação no Brasil começou em janeiro de 2021, sem mencionar que a primeira vacina aplicada no país, a vacina CoronaVac da fabricante chinesa Sinovac, foi comprado pelo rival político e ex-governador de São Paulo João Doria, e depois incluído, apesar das suas críticas, e também a vacina da Pfizer, no Sistema Único de Saúde (SUS) para ser aplicado na população do país.

Com 32% das intenções de voto e atrás de Lula da Silva, que lidera as sondagens com 47%, segundo o instituto Datafolha, Bolsonaro procurava com esta entrevista reconquistar apoio de eleitores que votaram no atual presidente em 2018.

A eleição presidencial no Brasil tem a primeira volta marcada para 2 de outubro e a segunda volta, caso seja necessária, no dia 30 do mesmo mês.

Ao todo, 12 candidatos disputam as presidenciais: Jair Bolsonaro, Luiz Inácio Lula da Silva, Ciro Gomes, Simone Tebet, Luís Felipe D’Ávila, Soraya Tronicke, Roberto Jefferson, Pablo Marçal, Eymael, Leonardo Pericles, Sofia Manzano e Vera Lúcia.