David Perpétuo - Share Magazine - Opinião
David Perpétuo
+ posts

Diretor-executivo Record TV Europa

Recentemente, reli ‘A Alegoria da Caverna’, de Platão. Já a conhecia, mas decidi voltar ao texto com outros olhos. Aqui, o filósofo grego narra o discurso em que Sócrates pede a Glauco para imaginar uma caverna, onde alguns prisioneiros vivem desde a infância, com as mãos amarradas a uma parede, conseguindo apenas ver as sombras projetadas à sua frente.

Estas são geradas por pessoas fazendo gestos e manipulando objetos, que passam em frente a uma fogueira, situada atrás da parede onde os homens estão presos. Estas sombras distorcidas e os ecos dos sons que as pessoas produzem são o único conhecimento que os prisioneiros têm do mundo.

Um dos prisioneiros é libertado. Andando pela caverna, percebe que há pessoas e que é a fogueira que projeta as sombras. Ele encontra a saída e assusta-se quando se depara com o mundo exterior. A luz solar ofusca-lhe a vista e ele sente-se desamparado, desconfortável… Aos poucos, a visão acostuma-se à luz e ele começa a perceber a infinidade do mundo que existe fora da caverna. Percebe que aquelas sombras que julgava serem toda a realidade são, na verdade, cópias imperfeitas de uma pequena parcela da realidade.

O homem livre tem duas escolhas: ou regressa à caverna e liberta os companheiros ou vive a sua liberdade. Uma das consequências, caso decida voltar, é que os seus olhos fiquem cegos pela escuridão, assim como tinham cegado com a luz. E que os companheiros, ao vê-lo, concluam que sair da caverna é perigoso e não queiram arriscar.

Trazendo esta alegoria para o nosso tempo, parece-me que o ser humano está a viver como um prisioneiro na caverna, apesar da informação e conhecimento que tem à disposição.

As redes sociais são a parede da caverna onde se projetam as sombras de uma verdade nem sempre real. Fake news, egos e opiniões de pessoas desinformadas passam a ser a realidade de milhões. As pessoas deixaram de procurar a verdade, de se informar e deixam as escolhas nas mãos de youtubers ou dependem da quantidade de likes… têm preguiça de pensar e essa tem sido a forma como os influenciadores e algumas empresas têm alcançado os seus objetivos.

Saia da ‘caverna da ignorância’, procure o verdadeiro conhecimento, seja dono das suas escolhas, ainda que a luz ao início pareça ofuscar e cause algum desconforto!

FONTEThisIsEngineering